Slide toggle

Bem vindos ao meu site

Obrigado pela visita ao meu portal! Aqui você encontra informações sobre minha produção em arte, literatura, ilustração e Design. E também pode adquirir meus produtos oficiais, ou fazer download de conteúdo gratuito.

Thanks for visiting my portal! Here you can find information about my production in art, literature, illustration and design. And you can also get my official products, or download free content.

Contatos

Seg. - Sex. 12:00 às 21:00 São Paulo - SP [email protected] [email protected]

Desenhos e Devaneios

Novidades, exposições, pensamentos, criticas e desenhos, claro!

Adinkra, Horus e Baobá – O novo logo

O Nascimento

Com o lançamento do novo site, resolvi renovar mais uma vez o meu logo. Dando uma atualizada nas linhas, limpando elementos, composição e adicionando símbolos e uma visão afrofuturistica do design. Gostei bastante do resultado, pois ficou mais proximo do que eu tinha imaginado em 2007.

A primeira versão tinha como objetivo fugir de um logotipo baseado em conceitos padrões do design dos 00’s (voltado para síntese, pouco elementos). Tinha em mente o acumulo de elementos e brasões de armas ou de famílias reais. Também queria algo bastante simbólico, que tivesse uma relação próxima com minha produção de arte.

Por isso, os elementos do olho ( espelho da alma) e as asas (liberdade e imaginação) já estavam presentes. Neste momento eu tinha criando um desenho carregado, cheio de pontas e manchas pois queria algo “sujo” visualmente. Porém em 2015 resolvi atualizar esses conceitos, limpando o desenho das asas, olhos e letras.

Então adicionei o conceito de escudos africanos como forma de silhueta e as formas circulares e espaço negativo por trás do logo forma ideia do infinito, o olhar ficava preso na forma e encontrava em seu centro a alma e nela o simbolo de fechadura (possibilidade de descoberta).

diogo-nogue-referências-logo

Arvora Baobá – Ankh – Escudo tribal – Olho de Horus.

 

O novo logo

Continuando a desenvolver esses elementos já ditos acima. Decidi adicionar o Baobá (arvore sagrada, raízes ancestrais) em negativo ao centro do logo com a fechadura em seu caule, e o adinkra  Ananse ntontan (criatividade e sabedoria) abaixo das asas, levando o Ankh aos olhos fortalecendo a ideia de Hórus com os olhos e suas asas, a lua, imaginação, imortalidade.

Em resumo, o novo logo reúne diferentes referências de vários grupos africanos, e busca trazer a força ancestral da criação, imaginação, vida, eternidade e força que são as marcas do povo preto no mundo. Nosso sangue rega o mundo de conhecimento, filosofia e arte!

O Renascimento

Estamos vivendo um novo momento, pois a nossa comunidade preta está estudando, retomando seu protagonismo em pesquisas, teorias e filosofias. De onde viemos, e quem somos não pode ser definido pelas normas e dogmas escolhidos pelo povo branco. Devemos a cada pedaço definir nosso território e nossa perspectiva como africanos e povo preto. E nesse caminho nada melhor que repensar nosso olhar como de um sujeito Afrofuturista – que recria e repensa o mundo de acordo com suas raízes.

Ao desenhar meu novo logo tinha isso em mente, e por esse motivo que me sinto tão contente com o resultado e pretendo usa-lo como marco pessoal para que a partir dele traga para o site esse olhar Afrofuturista.

E vocês, o que acharam?

 

diogo-nogue-blog-post-novo-site

Um Novo Site, um novo começo!

Bem vindos!

Nos últimos anos, com o crescimento do meu trabalho, comecei a desenhar novos planos e estratégias. Então a ideia era fazer com que minha arte chegasse a públicos maiores.

Pensei em um site que pudesse reunir todas as minhas pesquisas e também fornecesse aos meus admiradores conteúdos exclusivos.

Depois de muitas pesquisas e planos, finalmente chega ao ar o portal Diogo Nogue art. Contando com a ajuda de uma agencia especializada e inovadora, a Next Step, consegui dar vida e forma a um sonho de reunir em só lugar uma plataforma de registro, divulgação e também de venda dos meus trabalhos.

O desafio

No cenário de arte, é cada vez mais importante o artista dominar os meios de produção e distribuição dos trabalhos. Para não ficar dependendo das instituições e preso a velhos dogmas da industria ou dos sistemas (galerias, museus, editoras, gravadoras).

Por isso, é comum para nós, artistas independentes buscarmos nosso próprio caminho para fazer nossa arte chegar diretamente onde importa – O público.
Para mim, ainda mais, como artista negro, o meu publico está em todo lugar. Mas é preciso pensar e dar destaque ao publico periférico que também está sempre dando sua força e motivação para continuarmos criando.

A busca não é apenas vender o meu trabalho autoral, mas acima de tudo, fazer ele chegar até as pessoas de forma que elas sejam afetadas de maneira positiva, reflexiva e afetiva. O desafio é compartilhar, criar juntos e fazer o mundo e nossa vida, lugares melhores para todos. Principalmente os que sempre caminham juntos.

É a força da comunidade, do engajamento e da vontade que vai fazer nosso povo, nossas buscas se tornarem sonhos realizados, e é por isso que precisamos estar juntos, comunicando, criando nossos palanques. E este portal tem esse objetivo maior. Estar com vocês!

Que a amizade nasça do conhecimento

Para uma amizade ser forte e verdadeira é preciso que a gente se conheça, por isso o portal trás a preocupação de apresentar quem seu, o que busco, minha visão de mundo e com isso, criar o diálogo com vocês, amigos visitantes e colaboradores.

Biografia: Aqui você vai encontrar um pouco da minha história de vida e saber das minhas influências e áreas de interesse.

diogo-nogue-banner-projetos

Projetos: Nesta página resolvi reunir as informações e pesquisas que desenvolvo nas linguagem de literatura, vídeo, arte, educação e ilustração. Você poderá ir fundo em coisas que fiz pela net desde os meus 14 anos até hoje. Além de publicações, criticas e textos sobre minhas exposições, livros e etc.

Blog: Na nova fase, o blog Desenhos e Devaneios vai ser muito mais ativo, aqui vou publicas textos sobre minha produção artística, criticas de filmes, música, exposições, livros; Dessa forma atualizações e novidades sobre lançamentos, mostras e videos serão mais frequentes! Fique ligado.

diogo-nogue-banner-portfolio-designer-artista-ilustrador-site

Galeria: Para apreciar algumas fases da minha produção você pode visitar a galeria lá você vai conferir meus trabalhos de arte, ilustração e design.

A amizade também é feita de presentes!

Para mantermos sempre o contato e interação pensei a página como lugar de encontro, e também de trocas. Espero que possamos contribuir de forma positiva com a vida de cada um. Vocês amigos, são a causa e também o impulso de motivação para continuar criando.

Contato: Estou completamente aberto para conversas, trocas de ideias, sugestões e criticas. Vocês podem sempre enviar mensagens nos comentários, e-mails, facebook, instagram e twitter. Leio tudo que vocês postam e tento responder o mais rápido possível! Aqui no site a página de contato também tem todos os links das redes sociais e etc. Vamos conversar!

Downloads: Estou ainda trabalhando nessa sessão, porém já é possível adquirir conteúdos free para downloads, alguns pdfs literários, wallpaper pra celular, computador e tablet, e muito mais conteúdo está por vir. fique atento as postagem no blog, tudo que for grátis está lá. Além disso você também pode ver meus portfólios, currículos e outros presentinhos!

Loja: Finalmente a pagina Loja vai trazer meus trabalhos originais, prints, e produtos oficiais. Dessa forma você pode presentear as pessoas que você ama, amigos, e colegas de trabalho. Nada melhor que um presente exclusivo, criativo e raro (os produtos oficiais tem tiragem reduzida e assinatura minha). Quem sabe você queira começar uma coleção de trabalhos de arte? Então aqui também é seus lugar. Como artista independente é muito importante que vocês, meus queridos seguidores, também façam parte adquirindo e divulgando a minha produção. É sempre uma alegria entrar na vida de vocês com minha arte. Por isso, seja meus mecenas, faça parte!

 

Deixe nos comentários o que você achou do nosso site, e como podemos melhorar, sua opinião é muito importante!

Exposição “Imagens Vestígio” – Desenhos das lembranças

cabeçalho_imagens_vestígio

A partir do dia 27 de abril, a mostra Imagens Vestígio vai estar aberta a visitação no Lobo Centro Criativo.

A abertura será as 19h horas desta sexta. Os desenhos estarão a venda pelo período da exposição que termina em 25 de maio.

Neste post vou falar como surgiu a pesquisa e como os trabalhos da mostra foram feitos.

 

Imagens Vestígio – A Pesquisa

Imagens vestígio surge inicialmente como processo de criação, pesquisa de desenhos e símbolos que eu pudesse usar em minhas pinturas. Ainda em 2009 costurei meu primeiro caderno para usar entre a inda e vinda da faculdade e do trabalho. Para esse caderno escolhi um papel de cor escurecida chamado de Marfim. Sua superfície lisa e sua gramatura média permitiam diferentes usos de materiais, desde o lápis grafite, passando por marcadores, canetinhas e até aguadas simples.

Outro fator determinante para o resultado dos desenhos seria o material: Deveria ser fácil de se carregar e registrar, sem que me preocupasse com secagens ou atravessamento do papel. O feliz encontro e descoberta do Marcador da Montana Colors se uniu as comuns canetas nanquim, (que já usava por ter paixão por hachuras). Deste encontro, nasceu a característica forte, expressiva e simbólica que os desenhos do caderno foram tomando.

As primeiras páginas desse caderno no entanto foram de pesquisa de materiais, usei lápis de cor laranja, aquarela, marcador branco e outros, porém no encontro do marfim, preto e vermelho, foi que achei maior força.

Então saia todos os dias com meu companheiro de viagem, desenhando ambiente, objetos, pessoas em metrô ônibus, fragmentos de obras de arte e desenhos de imaginação, poemas, reflexões sobre minha produção, nomes de artistas, e outras infinidades de coisas. Buscando sempre um desenho sem esboço, direto no nanquim e equilibrando a composição com massas vermelhas uniformes, um universo imagético construído de resquícios de lembranças e registro de esquecimentos, foram se formando, misturando motivos antigos em meu repertório e criando novos.

Consequência do erro, acaso e embate entre material, controle motor e ideia,  cada folha do caderno tem uma história e ao revisitá-lo quase sempre sou transportados para o ambiente em que foram produzidas. As vezes a sala de aula, outras em um restaurante de comida barata, outras na mesa de bar de aniversário de amigos,  bibliotecas, quartos, estradas, ou a beira do mar.

paginas_do caderno

Toda essa pesquisa que continua até hoje passou por várias fases e meus pontos de interesse foram variando, entre Dali, Goya, Van Gogh, Octávio Araujo, Daniel Senis, Eva Hesse, e tantas outras referências. O meu olhar pelo mundo buscava a relação do corpo com objetos, espaços, com o outro, o real e o sonho.

É interessante pensar na dinâmica de criação dessas imagens, e a relação com o resultado final. Por serem desenhos rápidos, de registos de imagens, pessoas, lugares que estavam passageiras no meu cotidiano, os desenhos tem uma natureza fragmentada, inacabada. Pois muitas vezes o motivo de estudo era perdido, ou interrompido pelo trajeto que tinha que percorrer, uma aula que chegava ao fim, e etc. E as vezes esse desenho só seria “completado” ou finalizado, dias, meses depois. Após ter passado por diversas novas experiências, a revisitação de cada página do caderno era e é constante, A revisitação de memórias, a relembrança, e sobreposição de camadas que ficaram gravadas na feitura de cada página, são o coração desses cadernos.

desenho caderno 2

O primeiro caderno foi finalizado por volta de março de 2010, o segundo foi iniciado em Julho de 2010 e foi nesse momento que as questões da fragmentação se tornaram um motivo consciente e uma busca do corpo recortado, rasgado, costurado, aberto, deformado, muculos, ossos, se tornaram frequentes, o que remetiam a uma violência, a morte e o terror para muitos que observavam o resultado final. Porém o interesse nesses motivos era o poder da linha expressiva, e o como ela potencializava essa violência. Em contra partida, deixei de usar o marcador vermelho em 80% dos estudos, buscando evitar o simbolismo do sangue, dando aos corpos um caráter menos carnal. Com palavras chaves, tiradas do trabalho de Leonilson (Numeros, mãos, cabeças, ramificações, tempo, passagem, corpo, a palavra) e ações (carregar nas costas, segurar junto ao peito, voar, cair, se perder) o segundo caderno se finaliza apenas em março de 2015.

O terceiro caderno iniciado em Maio de 2015 e que ainda estou usando vem me trazendo novas reflexões e busca por representações menos eurocêntricas. Uma visita aos símbolos e imagéticas negras vem sendo minha maior preocupação na criação das imagens no momento. Os fenótipos foram mudando, novas experimentações de materiais e estilos de desenho deixaram as paginas mais variadas.

A Exposição

obra_a rainha na montanha

Para a exposição, resolvi resgatar algumas páginas dos cadernos, desenvolvendo trabalhos maiores e que reconstroem acasos, acidentes, tornando escolhas conscientes processos que tiveram um outro tempo e natureza de nascimento. Além disso, procurei reunir dois grupos de imagens, com natureza distintas nos trabalhos da amostra. No primeiro temos imagens completas, com tons simbólicos e força dramática que conversa com a referência de cada expectador, porém com interpretações mais fechadas. O segundo grupo constrói simbolismos e desperta sensações e interpretações mais abertas, que produzem leituras mais românticas, violentas ou fantásticas de acordo com quem as vê.

Essa revisita as lembranças de 9, 7 anos passados, produziu resultados interessantes e pretendo continuar esses transporte e resignificação dos fragmentos das memórias registradas.

Além também de tornar publico essas pesquisas que ficavam confinadas em meus cadernos, possibilitando novas leituras, e enriquecendo minha poética para futuros trabalhos.

Quem quiser conferir pessoalmente esse trajeto está convidado a visitar a mostra tanto na abertura, como no decorrer do mês de maio.

 

Serviço:

Exposição Imagens Vestígio – Diogo Nogue

Local: r. capitão cavalcanti, 35A – vila mariana/sp

Visitação: Segunda a Sábado 

Site: http://www.lobocc.com.br/

Abertura: 27/04 as 19h

 

diogo-nogue-exposicao-10-faces

Exposição 10 Faces: do traço a cor

artista diogo nogue e trabalhos da série faces espelhos

Mostra reúne retratos de diferentes pesquisas com o tema da beleza negra.

Olá amigos, ano começa com muito trabalho e exposições. Dessa vez o convite veio do Projeto 29 Cultural promovido pelo Cartório 29ª da região de Moema. A Tabeliã Priscila Agapito abre seu espaço para mostras. Assim promover um ambiente mais rico para seus clientes e fomentar a cultura.

Com ajuda de montagem e curadoria da artista Gi Archanjo, um lugar que geralmente é sério e monótono, criva vida com a arte de novos artistas.

Diante de uma oportunidade tão especial, decidi reunir algumas pesquisas ainda em desenvolvimento e recuperar algumas ideias que ficaram no caminho.

Dessa seleção é que ficaram os 10 trabalhos que vou levar para a mostra que tem a abertura programada para 19 de fevereiro, ficando em cartaz até 31 de março.

exposição 10 faces afrofuturismo

Saindo de retratos com lápis grafite, passando pelos nanquins com uma ideia afrofuturista e chegando aos retratos de guache, onde a cor da pele negra é o maior o meu interesse maior.

10 faces são perguntas que venho me fazendo em busca de uma ancestralidade, representatividade e apropriação de uma visualidade que tenta fugir do padrão eurocêntrico, e tenta beber na observação do povo negro no mundo atual e em realidades fictícias.

Sinto que ainda tenho muito que aprender e pesquisar para chegar em uma resposta e novos caminhos para minha produção. É importante dizer para mim mesmo que as perguntas estão sendo feitas. Melhor ainda é poder compartilhar esse caminho com outras pessoas.

 

Serviço:

Exposição 10 Faces: do traço a cor

De 19/2 até 31/03

Onde: 29º Tabelionato de Notas da Capital

Endereço: Alameda Jauaperi, 515 – Moema – São Paulo

diogo-nogue-exposição-entre-o-real-e-o-sonho

Exposição “Entre o real e o sonho”

Com trabalhos novos, exposição aponta nova forma de pensar a imagem

Olá amigos, desde o dia 07 de outubro está rolando a exposição “Entre o Real e o sonho”. A mostra reúne algumas pinturas da série “De onde os medos crescem” e uma pesquisa de retratos que investiga a estética e representação preta. Esta  é uma tentativa de levar uma pesquisa de arte contemporânea para a periferia, lugar de onde vim e que merece sempre receber e valorizar a arte produzida aqui.

Diogo e suas pinturas “Brinquedos que não foram meus” e “No fim somos o que fizemos de nós”

 

A abertura foi muito divertida, apesar de a chuva ter atrapalhado um pouco. Porém foi legal falar da minha produção e pesquisa e tirar dúvidas com o publico.

 

 

Dividindo Conhecimento

Na semana seguinte ministrei uma oficina com alunos do CCJ da região. Apresentei a técnica da aguada, e conversamos sobre semiótica, símbolos e como podemos criar imagens com apropriação de signos do mundo.

 

 

A troca tem sido muito positiva em todos os pontos.

O encerramento da exposição vai ser dia 29, ainda da tempo de conferir os trabalhos e deixar suas impressões.

 

Obrigado à todos que participaram desse momento!

diogo-nogue-exposicao-acervo-livre

Acervo Livre e Diogo Nogue – Toda felicidade tem fim, ao fim do carnaval

trecho do conto "seu livro na minha mochila"

Trecho do conto da cuidadora Ana de Oliveira

Nova Parceria

Olá amigos, março chega com uma novidade muito legal para os leitores do blog Desenhos e Devaneios e Zona Mental, pois  Acervo Livre chegou junto com uma parceria de conteúdo.

Fui convidado pela galera do #acervolivre à participar do site e contribuir com textos, ilustrações e poemas.

O Acervo é um site colaborativo em que os cuidadores contribuem com seu material artístico/literário buscando fomentar a palavra e compartilhar visões de mundo.

Leiam um fragmento do #manifestolivre:

“o escritor vive na palavra
que é a negação da morte
“leiam-nos,
não nos deixem morrer!”
nesse micro ponto do espaço virtual
um pouco de nossas entranhas
fibras, ideias, dia a dia, sonhos, dramas
sob doses absurdas de poesia
sob doses absurdas de liberdade”

Sempre na primeira Quarta de cada mês farei uma contribuição para o #acervolivre! Espero que gostem e compartilhem.

Sigam tb no Instagram @acervolivre

Fiquem com um trecho da minha primeira participação e confiram a integra no site:

 

“Toda alegria tem fim, ao fim do carnaval.

 

Sim, chega a hora que as mascaras caem.

Que as rosas secam

Que o confete não vai estar mais lá.

 

Chega a hora em que temos que dizer adeus

O momento de pedir aos céus…

Um pouco mais de tempo.

Um pouco mais de contentamento

 

Sim, vai chegar a hora que não vou estar com você

Vai chegar a hora que irá me perder.

Não que seja desejo meu,

Não que você desconheça o que perdeu.

Sei que todos nós faremos escolhas

Sei que todos regam suas próprias folhas.”

 

 

diogo-nogue-exposicao-pratodos-adinkras

Exposição Pratodos – 40 artistas tendo o prato como suporte!

O Prato como suporte, uma ação social por base

detalhe – prato raízes negras

 

Olá amigos, em Fevereiro a partir do dia 11, estarei participando da exposição coletiva Pratodos aqui em são paulo.

Para essa expo, foram convidados 40 artistas para intervir no prato como suporte. O mais legal é que os pratos estarão e parte da do dinheiro da venda será destinado a uma ong que prepara marmitas vegetarianas para moradores de rua.

Fiquei em duvida em qual das minhas pesquisas aplicar ao prato, porém no fim, acabei escolhendo a pesquisa visual da linguagem das Raízes Negras, (trabalho de ilustração que já postei aqui).

Nessa pesquisa, estou buscando desenvolver uma imagética de identidade negra, resgatando a simbologia, padrões e estética afro, e buscando uma atmosfera afrofuturista.

Neste trabalho iniciei uma pesquisa sobre os Adinkras, como símbolos principais.

Utilizei a acrílica e caneta dourada para trazer um efeito mais de realeza para a peça. O resultado ficou bem interessante. Diferente dos outros retratos da série feitos digitalmente, porém bem interessante na materialidade.

Para mais detalhes de como chegar a exposição veja o release abaixo:

Exposição Pratodos

O Prato, este é o suporte escolhido para a Exposição PRATODOS, onde 40 artistas apresentarão sua poética nesse objeto tão comum, mas cheio de significados e sugestões. Cada artista receberá um prato e nele terá liberdade total de expressão. A proposta é discutir a ética na alimentação nos dias de hoje.
As peças serão vendidas a um preço simbólico (R$60). Parte do valor será destinado aos artistas e o restante do dinheiro será revertido para uma ação que distribuirá marmitas veganas a moradores de rua. Os interessados terão duas opções: comprar pelo valor total (R$60) ou pagar metade do valor e se disponibilizar como voluntário no dia da ação.

O projeto foi idealizado e será realizado pelo espaço independente de arte GARAGEM ATELIÊ. A iniciativa é uma ideia antiga de um dos integrantes e foi inspirada em vários diálogos sobre o que comemos (de origem animal ou não), sobre a comida como objeto de estudo social e até mesmo a arte como algo que alimenta o espírito.

A festa de abertura e venda das artes acontecerá no dia 11 de fevereiro de 2017 no Garagem Ateliê, Ermelino Matarazzo, São Paulo.

LISTA DE ARTISTAS:

– Alcides
– Almir AS76
– Alan Alvico
– André Filur
– Bazco
– Bia Marins
– Dedoth
– Diane Motta
– Diogo Nogue
– Felipe BIT
– Felipe Urso
– Gabigo
– Fernanda Barbosa
– Gabi NIU
– Gi Archanjo
– Gil Douglas
– Gislaine Costa
– Ítalo
– Jana
– Ju Violeta
– Karine Guerra
– Lais da Lama
– Linoca Souza
– Marisasoou Lamah
– Moara Brasil
– Natália Manfrin
– Nautila
– Opeop
– Qel
– Rafael Limberger
– Raiza Limberger
– Régis
– Ricardo Cadol
– Samantha Prado
– Smup
– Tom Pina
– Vander xCHEx
– Vermelho
– William Mophos
GARAGEM ATELIÊ
Local de discussão, produção e exposição de arte na periferia da Zona Leste de São Paulo. O grupo que mantém o espaço (uma garagem de verdade), realiza atividades em conjunto com outros coletivos culturais e artistas da cidade.

Texto Piadas Racistas – Zona Mental

Olá a todos, se você não reparou, na minha página inicial eu deixo em destaque 4 links que vão para blogs de trabalhos paralelos que desenvolvi e desenvolvo até hoje. São eles o 13 Preto e Vermelho, Projeto o que deve ser dito, Caixa dos contos e o Zona Mental.

O Blog Zona Mental

Hoje vou falar um pouco sobre o Zona Mental e o novo texto que publiquei nele: Discutindo o racismo Texto 1: Piadas racistas 

O ZM foi meu primeiro blog, o iniciei ainda na plataforma Myspace da microsoft que era atrelada ao MSN Messenger. Era um brincadeira adolescente, onde publicava minhas duvidas existenciais, textos poéticos e reflexões. Por isso, se você olhar no inicio do blog vai encontrar muito sofrimento adolescente, duvidas do que somos, pra onde vamos e muitos erros de português! haha

Vai notar também uma grande evolução, principalmente em relação a poesia.

No decorrer desses 11 anos, publiqueis listas de musicas anualmente, reflexões, poemas, músicas que escrevi e muitas outras coisas.

Por ter passado do Myspace pro wordpress e agora no blogspot, alguns postagem mais antigas estão ilegíveis ou com uma diagramação péssima. (desculpe por isso, um dia ainda arrumo!). O revisitei recentemente e selecionei alguns poemas que achei mais interessantes e pretendo publicar ainda esse ano, ou no inicio do ano que vem.

 

Mês da Consciência Negra e minha visão

Porém nesse post é sobre uma série de texto que vou fazer esse mês, sobre o dia da consciência negra e o racismo de cada dia. Numa tentativa de contribuir e fazer as pessoas refletirem sobre os problemas que ele gera na formação das pessoas.

Segue uma parte dele:

” Com Novembro ai, uma vereador negro racista eleito, e alguns casos que ocorreram a minha volta em pouco intervalo de tempo… Farei uma série de posts para reflexão de todos.

Textão 1: Piadas racistas
Recebi duas vezes pelo whats (uma no grupo de escola e outra no grupo da família).
Uma piada racista onde um gênio da lampada (via que a Africa é um lugar pobre) realizava o desejo de 100 negros, e lógico, diante de uma oportunidade dessas o desejo de 99 deles foi de ser branco. Porém o 100º pede ao gênio para todos os outros voltarem a ser pretos.

Nossa… que engraçado.

Quando falei que a piada não tinha graça e que era racista, as pessoas primeiro diziam “naaao, não tem nada de racismo… podia ser qualquer um é que pegaram o negro… achei engraçadinha…” depois pediam desculpas, dizendo que não a intenção foi das melhores, de fazer rir, e que não eram racistas; uma por ser casada com um negro, a outra por ser negra.

Então, desenhando:

Existe uma coisa chamada Racismo estrutural. Ele está presente o dia todo, e faz com que algumas pessoas sejam beneficiadas e outras marginalizadas. Exemplos dele são quando pessoas brancas são preteridas á pessoas negras em empregos, relacionamentos, ou pro time de futebol na escola.
Mas também na abordagem violenta dos policiais, assassinato de mulheres e homens negros e a condição econômica. Por que?
Fazem apenas 128 anos que, por lei, os negros passaram a ser considerado humanos (isso mesmo… antes eramos apenas coisas) no Brasil. Liberdade ainda não conseguimos de fato, mas estamos na luta. E não foi uma princesinha branca que conseguiu isso não…

O racismo estrutural faz com que negros se achem feios, fracos, e amaldiçoados de fato. Algo que é implantado em nossas mentes diariamente. Por isso, existem mesmo muitos pretos, (crianças e adultos) que prefeririam ser brancos, pois todo dia, a rejeição, os xingamentos, a violência, convence esses irmãos que são indignos de felicidade e que apenas os brancos podem ser de fato amados, queridos e felizes.
O racismo estrutural ainda deixa a maioria dos negros ignorantes, sem consciência do que são, estamos alienados da nossa história. Não sabemos nada de nossos ancestrais, nossa cultura. Achamos que a Grécia, França, EUA, são o sonho e – todo um continente -, como a Africa “um lugar pobre”.
Errado.

A Africa sempre foi e é rica, inteligente e pioneira. A imagem do negro miserável da Africa é resultado de dominação e doutrinação. Não é uma vitimização – existem pessoas negras sem caráter, humanidade – que massacram outras pessoas negras com o auxilio e respaldo de brancos e outros pretos. Porém existem e existiriam muito mais pessoas negras e conscientes, e se amando e propagando sua cultura, se não fosse o racismo.
Mas relegados, sem autoestima, estrutura e consciência de sua história o negro é refém. E se tivesse a chance, no lugar de pedir uma vida digna, escolheria o caminho mais rápido: ser branco.
Por isso a piada não é nada engraçada. é puramente cruel.

Por último, o 100º negro, que ria de todos os pedidos dos outros, usa sua chance para reverter o desejo de todos os outros.

Este seria o “Tempo Cômico” da piada…

O que ele quer dizer:
O negro malandro, que prefere mais a zoeira do que a chance de pedir algo pra si mesmo, usa a mágica do gênio, não só para frustrar outros 99 de seus semelhantes (diante da maravilhosa perspectiva de viver uma vida de branco), mas demonstra todo o seu egoismo e imediatismo preferindo rir dos outros do que “fazer o bem para alguém” ou para si mesmo.

Então, não é só uma piada… é uma propagação ideológica e racista de uma imagem do negro…”

Confira a integra deste e outros textos, lista de músicas e poemas no blog Zona Mental.

diogo-nogue-exposicao-abertura-deonde-os-medos-ganham-forca

Abertura da exposição “De onde os medos ganham força”

entrada_exposição

Abertura “De onde os medos ganham força”

Olá, neste último dia 17/06, teve a abertura da minha exposição em Santos.

Foi uma noite muito agradável e divertida, com presença de convidados especias, música e risadas.

 

vista exposição diogo nogue telas mostra digo nogue vista exposição diogo nogue

A mostra conta com 13 trabalhos (11 pinturas e 2 desenhos) desenvolvidos entre 2007 a 2014. E trabalham imagens simbólicas do conto De onde os medos crescem na parte principal. Enquanto que a segunda parte da mostra, reuni alguns trabalhos que foram processo da pesquisa e na tentativa de desenvolver um método de criação relacionando as imagens coletadas do mundo com a literatura.

exposção_diogo_nogue

abertura_vista_musica

A exposição fica em exibição até dia 02/07 e todas as telas estão à venda. Acessando a loja do site, você confere todos os detalhes.

publico_exposição_diogo_nogue

diogo-nogue-blog--pdf-livro-de-onde-os-medos-crescem

Conto “De onde os medos crescem” – Download Free

Capa - de onde os medos crescem

Esta semana disponibilizei na parte de Downloads do meu site o conto “De onde os medos crescem”. O texto foi escrito como parte do processo de criação das minhas telas de pintura na série homônima.

Um artista que foi quem me mostrou que isso era possível e muito enriquecedor para um trabalho artístico foi o Tunga, que faleceu semana retrasada. Então como homenagem, dedico este conto e esse pdf á ele.

Para baixar clique na imagem acima ou aqui.

Segue abaixo uma reflexão sobre utilizar a literatura como processo para a pintura que escrevi na minha monografia de conclusão da graduação:

De onde as telas crescem: o conto como processo para a pintura.  

A literatura sempre fez parte da minha produção. E há alguns anos também desenvolvo minha pesquisa literária, com textos que tendem para uma atmosfera estranha, do fantasioso, onde os acontecimentos podem ser tidos como metáforas ou puro deslocamento da realidade. O que dá outro valor ao enredo do texto (pequenos detalhes ganham mais importância.)

Minha primeira experiência em unir texto e imagem, foi ainda no ensino médio. Onde fiz uma pequena exposição onde cada desenho tinha um texto ao lado.

Os textos poéticos vieram a partir dos desenhos e relacionava os elementos das imagens com a palavra. Estes textos não eram explicações nem descrições das telas, também não eram interpretações, mas por serem postos lado a lado, e por se alimentarem de elementos semelhantes ambos compartilhavam e ampliavam sentidos.

Durante o decorrer do curso de bacharelado, nunca cheguei a repetir essa interação, apesar de ter esse desejo. Alguns motivos adiaram essa minha investida, tais como: a possível relação ilustrativa entre imagem e texto, o direcionamento de interpretação da obra; e a indagação “se o texto já diz tudo que tem que dizer, qual seria então o sentido dessa imagem?”

Porém com meus questionamentos e experiências na procura de métodos para se construir uma imagem, cheguei, com a ajuda de orientadores, a estratégia de ler um livro, um romance inteiro, e fazer uma única pintura sobre este livro. Ser tomado por suas sensações  e estímulos tirando dele os elementos para se construir a pintura.

Este desafio trouxe novamente as antigas questões, mas trouxe também uma nova forma de pensar as imagens da pintura, suas relações e estruturas. Apesar de ficar satisfeito com o resultado dessa experiência, não era meu propósito inicial, usar um novo texto para esse projeto de conclusão.

Durante as minhas leituras de pesquisas para o pré trabalho de conclusão de curso, no entanto, entrei novamente em contato com um livro de artista que me deu a certeza de que era possível fazer essa relação entre uma obra ( de qualquer natureza: escultura, gravura, desenho, pintura, performance etc.) e um texto que sirva como fonte “mitológica”, processo de criação.

Este livro foi “O Barroco de Lírios” do artista Tunga (1952-)[1]. Neste livro o artista reúne algumas das suas obras mais importantes. A partir desses registros, vai mostrando o inicio de vida dos temas que utiliza e seus desdobramentos em diferentes trabalhos. Como inicio de cada trabalho Tunga coloca um texto, conto, relato, ou documento que fala da construção dessa obra, a idéia inicial, as referências e desdobramentos.

Porém esse relato, muitas vezes, como acontece, por exemplo, no texto “Xifópagas Capilares entre nós”[2] tem uma liberdade literária, que foge da realidade para criar um universo intrigante que envolve o leitor e mistura fatos reais com mitos e imaginação.  Esta aura vai impregnar suas esculturas e desenhos e darão uma unidade a elas.

Foi partindo desse pensamento que desenvolvi o conto[3] “De onde os medos crescem”[4] que une em sua construção as imagens vestígio, anotações de sonhos e relatos de história de família que são mais bem explicados no Anexo 2.

Até então todas as minhas pinturas anteriores vinham de um exercício de imaginar a construção da pintura relacionando símbolos a minha escolha, tentando preencher o campo de trabalho e dividindo as em camadas em busca de uma sensação intuída, mas pouco materializada.

Minha experiência na literatura me fez perceber a forma em que um conto ou texto é criado. Ao escrever a narrativa precisa-se passar credibilidade ao leitor, e também  conduzí-lo de forma que todas as palavras, frases e pontuação tenham uma importância determinante. É preciso cuidado, pode-se comparar a montagem de um quebra-cabeça, cada peça (frase) se encaixa em seu lugar, formando a imagem desejada.

Assim, ao inserir um contexto, as ações e símbolos que fazem as imagens precisam ser justificados textualmente, e vão compor um universo. O universo de um conto tem suas próprias regras (às vezes usando as regras do nosso mundo, ou criando novas) e elas precisam ser atendidas para dar sequência a história.

Acontece que seguindo essas regras de construção, o conto tem uma “vida própria”. Sendo assim, parto de uma idéia inicial para o texto, tenho minhas vontades, quero que determinados acontecimentos sejam a chave desse texto. Porém, para justificá-los vou inserir elementos, peças do quebra-cabeça, que não tinha em mãos a priori, mas que são fundamentais na formação do sentido do texto e da imagem que vai trabalhando os elementos pictóricos.

Esta força do enredo me faz construir imagens que eu não teria imaginado de imediato, pensar relações que necessitam de uma lógica diferente para se unir. Existe nesse sentido “um outro tipo de relação entre palavra e imagem” uma “experimentação verbalizada[5]. Assim “a narrativa verbal prepara uma futura ação plástica”[6].

Foi atrás desta lógica textual que foquei as minhas coletas de imagens e sonhos, defini temas, sentimentos e sensações para transpô-las para a série de pinturas apresentadas. Materializando e desenvolvendo aquelas sensações e imagens que antes eram apenas intuídas. Sendo assim, o conto “De onde os medos crescem” é  como um banco de imagens, que foi inicialmente pensado para a pintura, desenvolvido textualmente e novamente transposto para tela.

Este método de tradução de uma linguagem em uma segunda é conhecido como tradução Intersemiótica[7] e é objeto de estudo de Julio Plaza em seu livro homônimo. Plaza nos trás a seguinte definição:

 

“ A tradução Intersemiótica ou ‘transmutação’ foi definida por Roman Jakobson como sendo aquele tipo de tradução que ‘consiste na interpretação dos signos verbais por meio de sistemas de signos não verbais’ ou ‘de um sistema de signos para outros, por exemplo, da arte verbal para a música, a dança, o cinema e a pintura’ ou vice-versa”. (Plaza. 2001)

 

Como é dito por Plaza em seu livro, a tradução Intersemiótica nada tem a ver com fidelidade “pois ela cria sua própria verdade e uma relação fortemente tramada entre seus diversos momentos[8].

Quero dizer com isso que diferente do conto, as telas não tem uma dependência narrativa entre elas, e nem em relação ao texto. Não tento transformar, resumir ou capturar o conto em uma imagem, a tela não tem esse compromisso. Preocupo-me em me apropriar da relação interna do texto, de alguns estímulos e levá-los para o campo pictórico, fazendo que encontrem sua própria existência de acordo com meus procedimentos de pintura. Capturas diferentes momentos, ações e significados e traduzidos em uma imagem.

Em contexto expositivo as telas não dependem do conto, não pretendo apresentar o texto no espaço junto com a tela. E nem mesmo a montagem das telas no espaço precisa seguir a ordem em que elas surgem no conto, pois cada pintura fala de si mesma.

[1] Artista brasileiro ( Palmares, PE). Escultor, desenhista, artista performático.

[2] TUNGA. Barroco de Lírios. São Paulo: Cosac & Naify, 1997 p. 45

[3] Apesar de empregar o termo conto, este não é o mais apropriado para definir o texto referido por ter uma estrutura mais complexa. Porem decidi usar o termo pelo que ele representa (uma história curta).

[4] Anexo 2 p.42

[5] SALLES, C. A., 2003 : 95

[6] SALLES, C. A. 2003 p: 95

[7] PLAZA, 2001: 01

[8] Idem: 01

diogo-nogue-exposição-de-onde-os-medos

De onde os medos ganham força? – Exposição

Exposição Diogo Nogue

Olá amigos é com prazer que venho anunciar mais essa novidade, finalmente está chegando o dia da minha exposição individual.

A expo chama “De onde os medos ganham força” e vou levar pra ela minhas telas mais recentes, que são continuação das pesquisa em arte contemporânea, sobretudo, pintura contemporânea.

Estou ansioso e trabalhando nos últimos detalhes da montagem, mas faz tempo que esta mostra estava engatilhada e é uma tremenda conquista para mim.

A convocação da Secretaria de Cultura de Santos veio ainda em 2015, após selecionarem meu projeto em banca do Salão de Arte daquele ano. Porém o cronograma dos outros selecionados se estendeu e minha montagem ficou apenas para 2016.

Finalmente chegou.

A pesquisa “De onde os medos crescem” teve inicio no meu projeto de TCC da faculdade. Para ele, escrevi o conto homônimo, inspirado em história de família, da arte, do brasil e misturando conceitos da filosofia, psicologia e do fazer pictórico para gerar relações simbólicas e relações que só a lógica narrativa consegue construir.

Deste conto produzi 4 telas para minha conclusão de curso, elas me renderam nota máxima e também uma indicação para mostra coletiva.

Em 2010 então, junto com mais 10 colegas, participei da exposição “Onze Lições” com as telas desta série.

Posteriormente continuei desenvolvendo a pesquisa e criei outras telas.

A mostra de Santo será a união desse trabalho novo e também as 4 telas iniciais. Portanto é um marco em minha carreira artística, sem dúvida. O nome também é bem significativo, já que os medos começam a crescer quando os anos pós-faculdade vão passando e fica mais difícil manter a produção. Porém a luta não pode parar, por isso sigo sempre acreditando em meu trabalho, sempre desenvolvendo meus conhecimentos teóricos e técnicos para deixar um legado que me orgulhe.

Para mais detalhes da mostra vou deixar o serviço e o link para evento.

 

Página do Evento: www.facebook.com/events/643055199176504/

Serviço:
Exposição “De onde os medos ganham força” – Diogo Nogue
Quando: de 18 de junho a 02 de julho – Abertura 17.6 às 19h
Onde: Centro de Cultura Patrícia Galvão
Endereço: Av. Senador Pinheiro Machado, 48  – 3º Andar – Vila Matias, Santos/SP
Página do artista: www.facebook.com/diogonogueart
Site oficial: www.diogonogue.com.br
Página da Galeria: www.facebook.com/galeriasdesantos
Informações: (13) 32268010

 

 

diogo-nogue-blog--pdf-livro-fabulario-fanzine

Download Free – Revista Fabulário nº 2

zines_1e2

 

Em 2008 eu e alguns amigos tínhamos um coletivo ativo e borbulhando de vontade de pesquisar, discutir e produzir literatura fantástica, chamado Fabulário. Estávamos em quase todos os eventos e feiras, na margem do mainstream e do underground, tentando absorver e desvendar o território dessa literatura de nicho, investigando seus problemas, soluções e possíveis futuros.

As reuniões eram riquíssimas para mim, apesar das dificuldades de nunca termos um bom espaço, horário ou tempo para colocar em prática todos os planos que surgiam nas tardes e madrugadas de conversa.

Cobrir eventos, fazer artigos para nosso blog e as reuniões em si eram atividades prazerosas, mas sem dúvida a discussão da nossa produção era o que mais me animava e a divulgação do nosso fanzine, uma luta empolgante.

Quando eu cheguei no coletivo em 2007, a luta já tinha começado. Fui convidado por meu amigo Luíz quando o grupo estava com o primeiro fanzine saindo do forno, pronto para ser lançado na II Mostra de Curtas Fantásticos de Ilha Comprida.  Para saber como foi essa história clique aqui! Se preparem, pois era um mundo saindo da internet discada, listas de discussões e Orkut.

Após o Fanzine nº1 “E ninguém nunca mais…”  se seguiu uma longa jornada de eventos, vendas para amigos e inimigos e muita conversa, nesse meio tempo, fizemos uma edição em inglês com 3 capas colecionáveis e a lançamos em Paraty, fazendo nossos escritos chegarem nas mãos de ninguém menos, ninguém mais que Neil Gaiman, que fez uma palestra por lá naquele ano.

E pegando um gancho em um artigo escrito por Tadeu no primeiro zine e também em sua pesquisa detalhada de Fausto de Goethe que decidimos desenvolver o nosso segundo Fanzine com a temática de pactos e as relações fáusticas.

Não se sabe se pelo dedo do próprio tinhoso caído, ou pelos desígnios dos anjos dos céus, esta edição nunca foi produzida e lançada. Logo depois de a termos finalizado, o coletivo entrou em um hiato do qual não se levantou de verdade até hoje, apesar de algumas tentativas.

Por isso, aproveitando o blog, achei que seria um ótimo espaço para disponibilizar as duas edições da Revista Fabulário, para download Free! é isso mesmo! totalmente de graça! haha.

A edição que conta com minha contribuição é a nº2 Relações Fáusticas, o conto que escrevi chama “Três lampejos sobre sete vidas alternativas” que também vou postar no meu blog Caixa dos Contos em breve dando mais detalhes da sua produção. Fiquem agora com os pdfs que também podem ser encontrados na sessão de Downloads do site.

 

Revista Fabulário (english version)

Fabulário Magazine (English Version)

Noite de lançamento – Trovinhas das Cores e Amores

Noite de lançamento, cultura negra na livraria central.

Fila_noite de autografos

Fila na noite de lançamento – Família e amigos fazendo a magia acontecer.

 

No ultimo dia 21-03 aconteceu a noite de lançamento do livro de versos populares escrito por minha mãe e ilustrado por mim – o Trovinhas das Cores e amores.
A noite de autógrafos aconteceu na livraria cultura da Av. Paulista, e fiquei muito feliz com o resultado da festa!

Como eu disse na postagem anterior, o livro levou longos 7 anos para ficar pronto, mas o que eu não disse é que inicialmente ele nem foi pensado para ser lançado. Quando minha mãe pediu pra eu ilustrar o livro, o projeto era de mais de 32 ilustrações, uma para cara verso, cheio de cores e bem gordo. Com certeza não seria aprovado por editora nenhuma e a ideia era isso mesmo, fazer apenas alguns exemplares para a família, eu teria algumas ilustras para o portfólio e minha mãe ficaria feliz com seu livro.

Porém durante o processo o projeto foi tomando esta cara final. Um livro com finalidade e possível.

Assim que o tinha pronto em mãos, um novo desafio se abria: Achar uma gráfica e produzi-lo de forma independente (como sempre pensamos que seria).

Um lançamento por editora não passou por nossa cabeça, muito menos uma noite de autógrafos na livraria mais icônica da cidade. Isso tudo só aconteceu com a ajuda do colega e amigo Fernando Guifer.

Fernando tinha acabado de lançar seu livro “Diamante no Acrílico” ano passado, após fazer uma busca por inúmeras editoras ele encontrou a Metanóia, que por intermédio dele, também ficou conhecendo o projeto do Trovas.

Graças a ele a chance de fazer minha mãe feliz com um livro ganhou um brilho especial.

Fernando Guifer e Nogues

Eu, Fernando Guifer e minha mãe Regina Lúcia.

 

Passando o bastão

Minha preocupação com a noite de lançamento era de não ser apenas uma cerimonia massante e narcisista, queria aproveitar o espaço da livraria para levar discussões sobre o preconceito e também falar da produção de periferia.

Logo de cara pensei em levar para o espaço uma galera que eu tinha conhecido faz pouco tempo, em saraus aqui na zona leste. Confesso que quando conheci o movimento de Sarau aqui na periferia em 2014 eu fiquei encantado e impressionado. Como que morando aqui na quebrada eu não conhecia e não estava junto ali, produzindo? Nem sei.

Consegui a aprovação da ideia na ultima semana com a Livraria e convidei a galera dos Filhos de Ururaí. Que tinha conhecido primeiro por vídeos na net e depois no Movimento Aliança da Praça.

A poesia combativa a interpretação forte dos Filhos era o que eu estava procurando para contrapor a delicadeza do “Trovinhas” e foi uma felicidade eles terem aceitado o convite.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=hzQgb-Fiibg”]

Andrio Candido, Rafael Carnevalli, eu, Regina, Lucas Afonso e Daniel Lobo

Andrio Candido, Rafael Carnevalli, eu, Regina, Lucas Afonso e Daniel Lobo

 

Coisa de família

Além dos “Filhos”, também contamos com meus priminhos declamando alguns versos do Trovinhas DSC_0037

Inspirados nos versos da tia Alice da vó Rosa, reinventados por minha mãe, ilustrados por mim e declamados por meus priminhos, quatro gerações fazendo parte dessa noite unica para a família Nogueira, descendentes de índios e escravos e transformando a Livraria Cultura em um território negro, mesmo que por uma noite.

DSC_0232

Momento emocionante também foi quando deixamos essa mocinha furar a fila, ela comprou o livro e queria uma dedicatória, mas ela e a mãe estavam com a hora do filme pra começar e a garotinha começou a chorar, não resistimos, muito bom ver um sorriso substituir o choro de uma criança.

Foi uma noite muito agradável em que revi amigos, encontrei pessoalmente pessoas que só conhecia pela internet e que reuni a família.

Muito bom ter a sensação de ter marcado a noite de muitas pessoas e de injetar cultura, sendo produtor e fomentando a arte no mundo.

DSC_0274

 

Para finalizar demos uma entrevista sobre o Trovinhas. Graças ao lançamento da jornalista e escritora Joyce Ribeiro que estava acontecendo no andar de cima.

Este foi o resumo da noite para aqueles que não foram e para os que querem relembrar.

Para ver mais fotos basta acessar o álbum da minha página.

Muito obrigado aos amigos, familiares e desconhecidos que foram prestigiar essa noite e espero vê-los em breve em novos lançamentos, ou em aberturas de exposições.

Veja também a entrevista dada ao Canal Todos os Negros do Mundo

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=9KQyG_YK9Og”]

Ilustrando O Livro Trovinhas

Olá, se vocês acompanham o Desenhos e Devaneios desde o blogspot, já viram por aqui algumas ilustrações do livro infantil “Trovinhas das Cores e Amores”

Para quem chegou agora, deve ter visto que o lançamento do livro será dia 21/03 na livraria cultura. Clique aqui para saber tudo sobre o lançamento.

Se não me engano, comecei as ilustrações no final de 2008, prestes a iniciar meu projeto de tcc na faculdade, o que me deixou sem tempo para o projeto.

 

Livro Infantil contra o preconceito. Valorizando as diferenças e o amor

Durante esses nove anos, fui fazendo aos poucos as 12 ilustrações que compõem o livro. Mas antes de colocar a mão na tinta (e na tablet) levei bastante tempo junto com minha mãe dando uma cara para o livro.

O primeiro desafio foi criar um enredo e agrupar os versos que tinham relações uns com os outros. Dessa forma, foi possível desenvolver um caminho e também perceber um ambiente imagético para criar as ilustrações.

No segundo momento, decidi ambientar a história do livro em um universo mais campestre, uma paisagem vivida por meus avós criando uma ponte de realidades entre as trovinhas e as ilustrações.

Uma grande dificuldade que encontrei durante o processo foi a técnica.

Escolhi fazer as ilustrações misturando aquarela e pintura digital, buscando uma base de manchas, texturas e acaso na técnica manual e dando acabamento na pintura com  a mesa digital. Sem contornos e com composições cromáticas variadas (afinal, as cores eram um dos pontos principais do livro). As dificuldades com a técnica foi um dos principais fatores pela demora em finalizar o livro.

Chegar em um bom resultado nessa mesclagem foi um desafio que fazia com que as ilustrações demorassem a ficar prontas, ainda mais por eu só trabalhar nelas em pequenos períodos entre outras atividades.

Por ultimo, mas não menos importante. Aliás o ponto principal do livro… tratar de representatividade, trabalhar a luta contra o preconceito (de todos os tipos) e ser abrangente para vários públicos. Este era o meu desafio.

A luta pela representação negra 

Como designer, ilustrador e escritor sempre me senti oprimido por uma barreira invisível e ao mesmo tempo extremamente densa que tinha de atravessar em todo momento de criação.

Lembro que sempre que começava a escrever um conto, o personagem principal em minha cabeça era branco. Quando desenhava quando criança, criava caucasianos e mesmo depois em meus primeiro estágio como designer, me sentia compelido a escolher imagens e criar comunicações com pessoas brancas. (existia uma regra não dita, que o publico alvo não iria se identificar com um modelo negro)

Sempre me obriguei a lutar contra essa barreira invisível da não representatividade. Era como se não existisse a possibilidade de se escrever sobre negros, desenhar negros ou fazer publicidade para negros, simplesmente porque minhas referências nesse sentido eram muito escassas, quase nulas. Os livros que lia, os desenhos que via, as propagandas que via, quando tinham negros, nunca eram protagonistas ou muitas vezes não tinham. Essa falta sempre foi apontada por meus pais e tios. Algo que precisava ser mudado, porém a barreira sempre estava lá. Mesmo sendo alimentado por um pensamento critico.

Que barreira era essa?

A mesma barreia que me fazia sentar um pouco mais afastado de meninos negros no colégio, a mesma barreira que não me deixava me aproximar de garotas negras na pré adolescência ou acha-las bonitas. Uma barreira que nunca foi verbalizada ou racionalizada de verdade: O medo quase que ancestral de ser reprimido ou punido por estar junto dos meus iguais, e até mesmo de me sentir rebaixado ou fraco por querer ficar próximo dos meus, por ser mais fácil ser aceito.

E sempre que sentia essa barreira me oprimir eu fazia de tudo para ultrapassá-la, e assim, minha primeira ilustração publicada tinha um garoto negro, consegui fazer publicidade com pessoas negras, mesmo que as vezes ter sentido uma resistência, e muitas vezes não ter um layout aprovado por minha tentativa de representatividade.

pagina livro infantil Trovinha das cores e amores

E no Trovinhas? 

Não foi diferente, o objetivo das ilustrações é ser plural. Tratar do amor do ser humano, algumas vezes contra esteriótipos de gordo/magro do belo/feio e as cores como adjetivos multiplos  e não classificatórios.

Mas mesmo assim, a barreira tentou me impedir em alguns momentos e principalmente na capa. Talvez se a tivesse feito a alguns anos atrás não conseguiria vencer esse obstáculo, porém após refletir sobre essas questões acima e materializar essa barreira, antes invisível, consigo compreender racionalmente essa luta e espero que com o “Trovinhas..” mais pessoas possam vencer imposições estruturais como as relatadas aqui.

A luta sempre está começando. A representatividade é o caminho.

 

 

Conheça o novo site Diogo Nogue

cover_fb

Olá!

Sejam bem-vindos ao meu novo site!

É com muita alegria e entusiasmo que apresento pra vocês esse espaço, pois há anos adiei criar minha própria homepage e finalmente os planos saíram do papel para a rede.

Neste post vou explicar a estrutura do site, lembrando que muita coisa ainda está por vir este ano.

Estrutura novo site

O intuito principal do site foi reunir em um só lugar a minha produção em arte, literatura e design. Durante os anos fui sempre utilizando recurso free da internet para divulgar meu trabalho, com o amadurecimento fez-se necessário um lugar para centralizar todo esse conteúdo.

Além de site oficial e portfólio on-line, o diogonogue.com.br também é uma loja virtual. Em breve farei um post para falar somente dessa parte do site, que vou lançar em um segundo momento.

Veja agora a estrutura do site:

  1. Biografia – Quem sou: Resume um pouco a minha história e desejos como artista.
  2. Contato – Aqui você vai encontrar todas as formas de se comunicar comigo, espero sua mensagem.
  3. Portfólio – Nesta página você vai encontrar alguns dos meus trabalhos mais relevantes nas áreas de Arte, Ilustração e Design Gráfico.
  4. Blog Desenhos e Devaneios – Para saber o que estou fazendo, estudos e trabalhos recentes fiquem sempre atentos ao Blog. Além de contar com posts novos, transferi o meu antigo blog principal para cá. Então, basta fuçar os arquivos para conhecer e relembrar postagem de 2007 até hoje.
  5. Loja – Na aba superior do site, além do link para o blog ficam também o link da Loja, “minha conta” e “Carrinho” . Aqui você vai encontrar produtos oficiais como: camisetas, bolsas, canecas, almofadas e outras novidades, além de trabalhos originais. No momento o único produto liberado para pré-venda é o Livro “Trovinhas das cores e amores” que será lançado dia 21/03/2016
  6. Redes sociais – No canto superior direito e no rodapé esquerdo você encontra links para minhas redes sociais: fb.com/diogonogueart. Instagram: noguediogo e Linkedin. Além de poder assinar o RSS.
  7. Blogs e projetos externos – Abaixo do mural dinâmico ficam os links de blogs externos: o Registro dos projetos “13 Preto e Vermelho” e “O que deve ser dito”, como também meus blogs literários: Caixa dos Contos e Zona Mental. Pretendo continuar atualizando esses dois blogs externamente. Por isso, acompanhem-os também.
  8. Downloads – Nesta aba você vai encontrar meus currículos, textos sobre minha produção, PDFs com contos, catálogos e outros itens para baixar gratuitamente.

 

Espero que tenham gostado do visual e da estrutura e que possam apreciar minha produção de maneira fácil e interativa.

Para suporte em abertura de domínio, estrutura e mentoria da Loja eu conto com os serviços do meu amigo Adhemar (vulgo Max) – Visitem a página dele para mais informações!

Abraço e até o próximo post!

 

O Crespo livre, a beleza negra e inspirações estéticas de Mucha ao Afrofuturismo

Estou iniciando um novo projeto de ilustração com o nome temporário de “Negras, Raizes” cujo o foco são retratos de mulheres negras. read more

Nasce a Mãe, nasce o filho ou 13 de Março (13 Preto e Vermelho)

Este é mais um vídeo do projeto 13 Preto e Vermelho, mais sobre ele vcs encontram no blog clicando no link aqui ou ali do lado. 🙂

Estudo – Retrato

Hoje eu tinha em mente postar dois retratos no blog, porém um não passou no teste do tempo e olhando novamente para ele achei que estava muito ruim.

Este aqui não ficou do jeito que eu queria, tem algo que não gostei muito, porém consegui um bom resultado nos volumes.

Pretendo refazê-lo junto com o outro que descartei. Se eu realmente conseguir fazer isso, em breve posto aqui.

Estudo – Ártemis

Um estudo antigo que achei em uma pasta aqui.
Uma pesquisa sobre Ártemis, deusa da caça.

 

Deusa da Natureza

Sempre que possível tento treinar meu desenho, porém nunca consigo me focar nisso.
Uma das metas do segundo semestre desse ano é fazer um curso de desenho pra voltar a desenvolver minhas técnicas.
Ai fica um estudo em grafite de uma deusa saindo da terra 🙂

Caderno chegando ao fim

Meu caderno “Imagens Vestigio II” está finalmente chegando ao fim. Este foi iniciado em 07/2010, logo após do primeiro ter acabado.
A pesquisa inicial deste caderno era o corpo fragmentado, e as relações: Corpo + corpo, Corpo + Espaço, Corpo + Objeto, Objeto + Objeto.
No caminho foram surgindo algumas coisas interessantes, outras nem tanto.
Foi um caderno que durou quatro anos! Nem acredito, já que o primeiro durou apenas 2.

Gostei dos resultados que foram surgindo, mas acabei não chegando muito nos preceitos iniciais do caderno.
O interessante é passear por suas páginas e relembrar tantos momentos, exposições e reflexões que registrei no caderno durante esses 4 anos.

Este mês pretendo costurar um novo companheiro para mais anos de reflexões sobre a minha produção e arte em geral.

até lá então!

Primeira Pintura a óleo

Sempre tive vontade de pintar a óleo, porém além de me encontrar com minha pesquisa em pintura com aguadas e acrílica, também sempre achei muito complicado a tinta óleo e sempre adiei meu inicio na técnica. Primeiro era por falta de material, mas então ganhei um kit com cavalete, tinta, pinceis e mesmo assim adiava. Este começo de ano resolvi parar de enrolação e comecei esta pintura.
Partindo de um pequeno esboço rápido, tinha pensado muito sobre o que pintar, porém parei os devaneios e comecei a pintar o que eu sempre quis pintar. Iniciando com um céu azul e um rio.
Deste principio fui encarando os desafios de aprender uma técnica nova. Nesse caminho encontrei inúmeros desafios dentre estes, os pincéis.
Ficou muito claro para mim  que é necessário bons pincéis para se fazer pintura rica em detalhes e efeitos. Não foi o caso, trabalhando com pincéis bem baratos e outros bem velhos, sem grande precisão foi este o resultado que consegui.
Não esta nem perto do que eu considero um bom desenho, uma boa composição ou uma boa anatomia, mas achei bonitinho, mesmo que em alguns momentos eu ache horrível! rs.
Mas terão outras, e pretendo melhorar.
A seguir uma imagem do processo:

Cadernos

Anos atrás tive que aprender a fazer cadernos para um trabalho de faculdade, e então se tornou um habito ter um caderno de desenho voltado sempre para meus projetos artísticos. Esses foram alguns que eu fiz, os três primeiros fiz para mim, os outros dois foram presentes.

Primeira de 2014 – Somos o que fizemos de nós.

Primeira postagem, primeira pintura do ano, iniciada no fim de dezembro e terminada agora no inicio de janeiro.
Continuando minha pesquisa, tentando sugar o máximo da técnica, dos símbolos e imagens que vão se acumulando em meu repertório.

Estudo de Aquarela

Estava fazendo estudos de aquarela por esses dias, fazia um tempo que eu não brincava. Comprei  um conjunto de aquarela e papel fabriano pra ver se ficava melhor que com material que eu tinha aqui.
O resultado foi melhor sim, mas acabei esfolando a folha no rosto da esquerda. Acho que foi um erro meu.
Comecei com o estudo das costas da moça a direita, depois o rosto a esquerda onde saturei o papel, devia ter esperado secar mais…
O ultimo que fiz foi o Orc, já tinha feito um estudo com essa imagem só que em lápis de cor, e agora decidi fazer um em aquarela, as luzes e volumes dessa imagens são muito legais para treinar desenho.

Estudo torto.

Fazia bastante tempo que não pegava um lápis para fazer um desenho de modelagem e etc e fiz esse estudo, que ficou torto e com vários erros.

 

Meu Anjo, Dali e Millet estiveram aqui

Seguindo minha pesquisa de desenho “Imagem Vestígio” este trabalho agrega referencias de Bosch, Millet e Dali e relações com a pesquisa do corpo e as linhas da pesquisa de um dos meus cadernos (Meu corpo que te abriga)  que não falei muito no blog ainda, vou tentar postar algo mais para frente também.
 Nessa série nova que estou desenvolvendo fiz uns experimentos misturando papel arroz e vegetal para criar sobreposições e valores com transparências.

 

Meu Anjo tem Sonhos tranquilos

 

Nos últimos meses retomei a minha pesquisa pictórica, e consegui desenvolver três novas telas.
Em duas delas, continuei usando o conto que criei para meu tcc “De onde os medos crescem” do qual já tinha feito quatro pinturas.
Retomei duas partes do conto que gosto muito, que é o “Ela tinha sonhos” e o “No jardim da infância, brinquedos que não foram meus”,
Já nesta pintura, eu voltei aos meus primeiros procedimentos que eram partir de uma imagem base, tirada de alguma memória, obra de arte, ou imagem de qualquer lugar.
A imagem escolhida foi a pintura de Millet “Angelus”, mas cheguei nela primeiramente por Dali.
Mesmo já conhecendo a pintura de Millet e tendo uma grande atração pelas duas silhuetas formadas pelo homem e a mulher, o que realmente me motivou e deu mais força para esta imagem foram as diversas apropriações e referências feitas por Dali  a este casal. Ele tem várias versões derivadas de “Angelus” e suas variações são tão fortes quanto a original, de fato uma tremenda força que esta duas figuras conseguem despertar.
Sendo assim, desenvolvi minha versão desta, tentando limpar alguns procedimentos pictóricos que geralmente utilizo.  e este foi o resultado.
também fiz alguns desenhos derivados de Angelus, que postarei mais para frente.

Caderno Imagem Vestígio II – Três em um…

Mais uma página de meu caderno, a pesquisa vai andando aos poucos.

Capas – Livro de Português 2

Seguindo com os posts sobre capas, como eu tinha prometido
Seguem mais três propostas:

 

Esta foi uma das minhas primeiras ideias. Estava buscando algo limbo e elegante , com uma cor forte  e imagens  da cultura do Brasil.
Daquela primeira idéia, fiz esta segunda, tirando a imagem da Estação da luz (museu da língua portuguesa) e usando uma imagem mais comum (e com direitos de reprodução livre)
Ainda buscando algo elegante e bem limpo.
Esta terceira versão teve como fatores a mudança do titulo do livro e o fato que ele não teria contra capa, e sim, uma capa invertida (no estilo 2 livros em um “vira-vira”) um dos lados fica o livro de gramática e redação e do outro o livro de literatura.
Novamente, uso de imagem de direito livre, mantendo o padrão do primeiro design, porém um pouco mais “lotada” de conteúdo.
show