Slide toggle

Bem vindos ao meu site

Obrigado pela visita ao meu portal! Aqui você encontra informações sobre minha produção em arte, literatura, ilustração e Design. E também pode adquirir meus produtos oficiais, ou fazer download de conteúdo gratuito.

Thanks for visiting my portal! Here you can find information about my production in art, literature, illustration and design. And you can also get my official products, or download free content.

Contatos

Seg. - Sex. 12:00 às 21:00 São Paulo - SP [email protected] [email protected]

Categoria: Linhas

Exposição “Imagens Vestígio” – Desenhos das lembranças

cabeçalho_imagens_vestígio

A partir do dia 27 de abril, a mostra Imagens Vestígio vai estar aberta a visitação no Lobo Centro Criativo.

A abertura será as 19h horas desta sexta. Os desenhos estarão a venda pelo período da exposição que termina em 25 de maio.

Neste post vou falar como surgiu a pesquisa e como os trabalhos da mostra foram feitos.

 

Imagens Vestígio – A Pesquisa

Imagens vestígio surge inicialmente como processo de criação, pesquisa de desenhos e símbolos que eu pudesse usar em minhas pinturas. Ainda em 2009 costurei meu primeiro caderno para usar entre a inda e vinda da faculdade e do trabalho. Para esse caderno escolhi um papel de cor escurecida chamado de Marfim. Sua superfície lisa e sua gramatura média permitiam diferentes usos de materiais, desde o lápis grafite, passando por marcadores, canetinhas e até aguadas simples.

Outro fator determinante para o resultado dos desenhos seria o material: Deveria ser fácil de se carregar e registrar, sem que me preocupasse com secagens ou atravessamento do papel. O feliz encontro e descoberta do Marcador da Montana Colors se uniu as comuns canetas nanquim, (que já usava por ter paixão por hachuras). Deste encontro, nasceu a característica forte, expressiva e simbólica que os desenhos do caderno foram tomando.

As primeiras páginas desse caderno no entanto foram de pesquisa de materiais, usei lápis de cor laranja, aquarela, marcador branco e outros, porém no encontro do marfim, preto e vermelho, foi que achei maior força.

Então saia todos os dias com meu companheiro de viagem, desenhando ambiente, objetos, pessoas em metrô ônibus, fragmentos de obras de arte e desenhos de imaginação, poemas, reflexões sobre minha produção, nomes de artistas, e outras infinidades de coisas. Buscando sempre um desenho sem esboço, direto no nanquim e equilibrando a composição com massas vermelhas uniformes, um universo imagético construído de resquícios de lembranças e registro de esquecimentos, foram se formando, misturando motivos antigos em meu repertório e criando novos.

Consequência do erro, acaso e embate entre material, controle motor e ideia,  cada folha do caderno tem uma história e ao revisitá-lo quase sempre sou transportados para o ambiente em que foram produzidas. As vezes a sala de aula, outras em um restaurante de comida barata, outras na mesa de bar de aniversário de amigos,  bibliotecas, quartos, estradas, ou a beira do mar.

paginas_do caderno

Toda essa pesquisa que continua até hoje passou por várias fases e meus pontos de interesse foram variando, entre Dali, Goya, Van Gogh, Octávio Araujo, Daniel Senis, Eva Hesse, e tantas outras referências. O meu olhar pelo mundo buscava a relação do corpo com objetos, espaços, com o outro, o real e o sonho.

É interessante pensar na dinâmica de criação dessas imagens, e a relação com o resultado final. Por serem desenhos rápidos, de registos de imagens, pessoas, lugares que estavam passageiras no meu cotidiano, os desenhos tem uma natureza fragmentada, inacabada. Pois muitas vezes o motivo de estudo era perdido, ou interrompido pelo trajeto que tinha que percorrer, uma aula que chegava ao fim, e etc. E as vezes esse desenho só seria “completado” ou finalizado, dias, meses depois. Após ter passado por diversas novas experiências, a revisitação de cada página do caderno era e é constante, A revisitação de memórias, a relembrança, e sobreposição de camadas que ficaram gravadas na feitura de cada página, são o coração desses cadernos.

desenho caderno 2

O primeiro caderno foi finalizado por volta de março de 2010, o segundo foi iniciado em Julho de 2010 e foi nesse momento que as questões da fragmentação se tornaram um motivo consciente e uma busca do corpo recortado, rasgado, costurado, aberto, deformado, muculos, ossos, se tornaram frequentes, o que remetiam a uma violência, a morte e o terror para muitos que observavam o resultado final. Porém o interesse nesses motivos era o poder da linha expressiva, e o como ela potencializava essa violência. Em contra partida, deixei de usar o marcador vermelho em 80% dos estudos, buscando evitar o simbolismo do sangue, dando aos corpos um caráter menos carnal. Com palavras chaves, tiradas do trabalho de Leonilson (Numeros, mãos, cabeças, ramificações, tempo, passagem, corpo, a palavra) e ações (carregar nas costas, segurar junto ao peito, voar, cair, se perder) o segundo caderno se finaliza apenas em março de 2015.

O terceiro caderno iniciado em Maio de 2015 e que ainda estou usando vem me trazendo novas reflexões e busca por representações menos eurocêntricas. Uma visita aos símbolos e imagéticas negras vem sendo minha maior preocupação na criação das imagens no momento. Os fenótipos foram mudando, novas experimentações de materiais e estilos de desenho deixaram as paginas mais variadas.

A Exposição

obra_a rainha na montanha

Para a exposição, resolvi resgatar algumas páginas dos cadernos, desenvolvendo trabalhos maiores e que reconstroem acasos, acidentes, tornando escolhas conscientes processos que tiveram um outro tempo e natureza de nascimento. Além disso, procurei reunir dois grupos de imagens, com natureza distintas nos trabalhos da amostra. No primeiro temos imagens completas, com tons simbólicos e força dramática que conversa com a referência de cada expectador, porém com interpretações mais fechadas. O segundo grupo constrói simbolismos e desperta sensações e interpretações mais abertas, que produzem leituras mais românticas, violentas ou fantásticas de acordo com quem as vê.

Essa revisita as lembranças de 9, 7 anos passados, produziu resultados interessantes e pretendo continuar esses transporte e resignificação dos fragmentos das memórias registradas.

Além também de tornar publico essas pesquisas que ficavam confinadas em meus cadernos, possibilitando novas leituras, e enriquecendo minha poética para futuros trabalhos.

Quem quiser conferir pessoalmente esse trajeto está convidado a visitar a mostra tanto na abertura, como no decorrer do mês de maio.

 

Serviço:

Exposição Imagens Vestígio – Diogo Nogue

Local: r. capitão cavalcanti, 35A – vila mariana/sp

Visitação: Segunda a Sábado 

Site: http://www.lobocc.com.br/

Abertura: 27/04 as 19h

 

Sobre a chuva e o GuardaChuva.

Sobre a Chuva.

 

 

Sobre a Chuva.

 

O sol se foi de repente

Foi-se também a luz do meu rosto

Sobrou a lágrima que corria muda

Solitária, trazendo-me seu gosto.

 

 

Os trovões rompiam o silêncio

Os raios iluminavam seus olhos.

Olhei o céu buscando estrelas

Mas a noite me trazia nuvens

Escuras como a cor dos seus cabelos.

 

 

Saí de braços abertos, passos incertos

O cheiro da chuva invadia o ar

O vento soprava fazendo as árvores dançar

Um leve gotejar, para lavar as mágoas de muitos.

Meu peito ardia cravejado pelas lágrimas do mundo.

 

 

Via o céu desabar aos poucos

A chuva molhar seu corpo bem devagar

Dançando na rua sem se importar com os outros

O vento soprar macio a te levar

Qualquer tristeza escorria pela rua

E toda beleza era sua.

 

 

Esperava contente o presente

Que lavava corpo e mente.

Fui deixando pelo chão:

Roupas, mágoas e solidão

me preenchia de pequenas alegrias:

As pérolas de cristal me faziam companhia.

 

 

Sabia que ali era seu lugar

A simples alegria encharcou meu olhar

Joguei-me em seus braços

Dois corpos e a tempestade

Sentimentos confusos

Uma só verdade.

 

 

Sabia que ali era meu lugar

Ali eu estava livre

Ali eu estava completa

Ali todos meus medos se perdiam

Todo meu coração se encontrava.

 

Coleta de Imagens #4

Mais 3 paginas do meu atual caderno de desenhos. Estou gostando bastante dessas experiências, nada novo na verdade, as mesmas linhas pretas sobre vermelho, mas o que há de novo mesmo são as imagens, as figuras e suas relações, essas novas estruturas no meu trabalho que estão me chamando a atenção.

Coleta de Imagens

Esse começo de ano estive bem longe do photoshop
desenhando mais a mão, estudando meu trabalho.
tinta preta e vermelha. desenho direto sem rascunho, uma linha quebrada e incerta. palavras que se misturam com linhas. este tem sido meus desenhos nas ultimas semanas
e para não deixar esse blog meio morto, já que não sei quando ilustrações propriamente ditas vão chegar por aqui. vou postar durante a semana alguns desenhos.

Postagem de Fim de ano

Para finalizar o ano vou postar alguns desenhos e ilustrações decorrentes desses 12 longos/curtos meses

bom 2009 a todos nós.

Esta foi para o ETC&Traço com o tema Samurai + Espaço

Faroeste Caboclo: esta ilustração era para o TNTema, o tema era Faroeste, porém não terminei a tempo (na verdade ainda não está pronta, esse é só o fundo dela. quem sabe em 2009 ela fica pronta)

Este foi um estudo de uma estampa para Litografia.

o resultado foi quase semelhante.

Um projeto de desenho que iniciei esse semestre inspirado em trabalhos da artista Mira Schendel. ( se alguém quiser dar uma olhada nesses trabalhos que me inspiraram é só ir na Estação Pinacoteca em São Paulo.)

esse foi o primeiro estudo. o segundo esta mais limpo. e pretendo chegar em algo mais e mais leve. uma cor, camadas e linhas.

E para Finalizar, esse rabisco aqui totalmente descontraído

só pra dizer que ano que vem esses caras vem pra SP e eu Vou estar lá cantando as musicas que povoam meus dias. hehe

2009. espero que seja bom para todos a minha volta de alguma forma.

abraços!

Devaneio

 

No Silêncio

 

Aquilo que fica no silêncio

E que nada pode acordar

Aquilo que morrerá comigo

Quando tudo acabar.

 

 

Aquilo que não posso te dizer

Aquilo que não quer escutar

São marcas do que pode acontecer

São coisas que não quero deixar.

 

 

Tem coisas que massacram no silêncio

Palavras que morrem na garganta

Desejos são presos no peito.

Mutilações de possíveis mudanças.

 

 

Quantas alegrias morreram no silêncio

Quantos “quase” se fizeram no vazio

Quantos caminhos acabaram destruídos,

quantos sonhos se perderam consigo.

 

 

Para você que me deixou ir

Que não quis lutar com medo de se ferir

Que não me deu aquilo que merecia,

Espero que encontre o que você queria

Espero que não se perca em mórbidas fantasias

Espero que pare de fugir.

 

 

Para você que me segurou,

Que quebrou o silêncio que me suprimia

Que com um olhar fez de musica a minha sala.

Espero estar contigo a cada momento.

Espero ser este o fim do tormento

Espero encontrar o que me levaram no vento.

O que é o tempo? Devaneio – 18 – Desenho 63 – Quente, porém frio


Este foi para o ETC & Traço, blog tematicos ao qual participo
o tema era estações do ano. esse ai é meu verão.

O que é o tempo?

O que é o tempo, vil mortal?
O tempo é uma medida imaginaria
O tempo enquanto número não é nada
É apenas uma fraca marca
Que se torna importante pelo que fizemos dela
E nada mais

O que é o tempo, tolo mortal?
O tempo é aquele que vai te mostrar seus erros
O tempo é aquele que vai cravar seus arrependimentos
Será ele que te dirá que você errou
E que o deixou passar.

Oh! Pobre mortal, não seja refém do tempo
Não tenha dó de desperdiçá-lo
Não tenha medo de perdê-lo
Não o encare como o que você é
Não foi ele que te fez, e sim você
E aqueles que o amam a sua volta

O que é o tempo, seu idiota?
Acha que ele se preocupa com você…
Acha que o tendo nas mãos vai ser mais seguro?
Não importa se são um, dois, três ou a eternidade…
Quantos anos for, acha que estará seguro!?
Nunca, o tempo não trás segurança
E sim acomodação

Fique parado!
Tenha medo!
Não, não siga em frente
Deixe o tempo passar.
Perca!!
Tenha medo de tentar!
E você vera…
Ahhh sim… Um dia verá
O tempo bater a sua porta
Trazendo em forma de insatisfação
Tudo aquilo que você teve medo de conquistar.

Distantes e Dissonantes – Devaneio 17 – Desenho 59

Técnica: Água tinta, e caneta nanquim
(gravura em metal)

Distantes e Dissonantes

É fácil se desejar
É compreensível se querer
É humano se enganar
É triste não saber…

É estranho esperar
Sem ao menos saber o que!
É constante o sonhar…
É distante o viver…
Eu…
Você…
Distantes…
Inconstantes…
Dissonantes…

Eu que aqui a imagino
E continuo do mesmo jeito a viver
Você do mesmo modo
A mercê de outros braços
De outros abraços
De outras palavras
Que não as minhas…
Que aqui sozinhas
Esperam por nascer
Esperam por você…

Desculpe-me todos que visitam o “Desenhos e Devaneios” por não ter atualizado por tanto tempo, para compensar o sumiço devido a compromissos que não me permitiram escrever e desenhar, além de mais um Devaneio, segue alguns estudos ainda não finalizados de nanquim e também a ultima ilustração que fiz para o Tntema.


Técnica: Nanquim s/ Canson


Técnica: Nanquim s/ Canson

Técnica: Caneta Nanquim, Lápis, Xilo e Photoshop
Alien estranho, Tntema.

Desenho 56 ( Auto-retrato TnTema ) Devaneio 13 e 14 ( Eu…) e ( Eu 2)

 

Finalmente atualizando!

Por falta mais de estimulo do que tempo, fiquei sem terminar umas 5 ilustras hahaha, vou termina-las e em breve aparecerão aqui!

por hoje, mais uma para o TNTema. Auto-retrato.

e Devaneiso que são auto-retratos.

Eu….

Eu sou o meu destino
Eu sou a minha esperança
Eu sou os meus desejos
Eu sou minha abonança.

Eu sou o avesso do comum
Eu sou a cópia do que desconheço
Sou o caminho desconhecido
Sou o que sempre volta ao começo

Sou o que ama veladamente
Sou o que te deixa rosas no armário.
Eu sou o que se esconde de si mesmo
Eu sou o que se conhece no espelho
Eu sou apenas o que sou…
Não ser o que quero é o meu medo.
Não ter o que sonho é minha sina.

Eu 2

Sou estrada
Não sou estação
Sou pegadas,
Sou apenas ilusão

Não sou um porto
Sou o mar…
Eu sou o vento
Que vai te levar.

Não sou o sonho,
Sou apenas o sono,
Não sou a felicidade
Mas levo até ela…

Sou o corredor
E não o quarto ou sala
Não sou cômodo algum.

Sou o vácuo do silencio
Sou o que se cala entre seus pensamentos.

Sou o inconstante e o mutável,
Sou o que não pode ter nem desejar
Pois nada fica por mim,
Tudo passa, leva-me um pedaço…
E deixa-me ao descaso.
Sou o que proporciona amor…
E nunca, porém, é amado…

Sou transparente,
Por muitas vezes invisível,
Mostro-te o desprezível,
Convenço-te do indivisível.

Mas e você quem é?
O melhor de mim pode levar,
Eu não vou me importar.
Não peço nada em troca,
Dou o que acho que devo dar,
Por isso posso me machucar,
Você…
Talvez nem vá ligar…
Mas serei sempre a janela
Que te mostrará um belo luar.

entrelaços _ primeiro post 2008- Devaneio 11 “seja lá o que fosse”

Nos últimos meses do ano comecei a brincar com traços e compor com um lápis vermelho e canetas esses espaços e configurações, linhas que criam e desmentem superfícies, descobri o resultado meio por acaso em um outro caderno e nesse a5 que saio por ai desenvolvi uma série que foi ganhando forma. ai alguns dos resultados, as linhas que no começo eram bem perdidas começaram a se unir e criar valores. eles não tem pretensão de formar nenhuma imagem referencial ao mundo, mas alguns conseguem, não busco nem inibo esse acontecimento.

Do ultimo ao primeiro…

 

 

 

Mais um Devaneio

 

Seja lá o que fosse …

Se eram flores ou apenas o mato que crescia
Nunca saberei dizer de certo a diferença
Sei apenas que na penumbra daquele fim de tarde
O mar era apenas tormenta.

Com os pés descalços observando as nuvens a caminhar
Sentindo o toque suave das folhas e da areia a beira mar,
Ouvindo sons distantes que talvez nem desse planeta fizessem parte
Junto com o toque do vento nas águas que lambiam a praia.

Sei apenas que eram tristes, e não prometiam vingar.
Se flores fossem seriam belas, mas não há como confirmar.
Se fosse apenas o mato, ou planta sem nenhum glamour
Era de fato um ótimo lugar para morrer só.

As linhas que se entrelaçavam em meu olhar turvo na distância,
Juravam que eram nascidas da lembrança
E que dês de sua tenra infância viviam a procurar um par.
Entravam e saiam, davam nó e quebravam esquinas,
Mas pobres meninas… Nunca chegaram a nada se tornar.

 

 

show