Slide toggle

Bem vindos ao meu site

Obrigado pela visita ao meu portal! Aqui você encontra informações sobre minha produção em arte, literatura, ilustração e Design. E também pode adquirir meus produtos oficiais, ou fazer download de conteúdo gratuito.

Thanks for visiting my portal! Here you can find information about my production in art, literature, illustration and design. And you can also get my official products, or download free content.

Contatos

Seg. - Sex. 12:00 às 21:00 São Paulo - SP [email protected] [email protected]

Categoria: Artes Plásticas

Exposição “Imagens Vestígio” – Desenhos das lembranças

cabeçalho_imagens_vestígio

A partir do dia 27 de abril, a mostra Imagens Vestígio vai estar aberta a visitação no Lobo Centro Criativo.

A abertura será as 19h horas desta sexta. Os desenhos estarão a venda pelo período da exposição que termina em 25 de maio.

Neste post vou falar como surgiu a pesquisa e como os trabalhos da mostra foram feitos.

 

Imagens Vestígio – A Pesquisa

Imagens vestígio surge inicialmente como processo de criação, pesquisa de desenhos e símbolos que eu pudesse usar em minhas pinturas. Ainda em 2009 costurei meu primeiro caderno para usar entre a inda e vinda da faculdade e do trabalho. Para esse caderno escolhi um papel de cor escurecida chamado de Marfim. Sua superfície lisa e sua gramatura média permitiam diferentes usos de materiais, desde o lápis grafite, passando por marcadores, canetinhas e até aguadas simples.

Outro fator determinante para o resultado dos desenhos seria o material: Deveria ser fácil de se carregar e registrar, sem que me preocupasse com secagens ou atravessamento do papel. O feliz encontro e descoberta do Marcador da Montana Colors se uniu as comuns canetas nanquim, (que já usava por ter paixão por hachuras). Deste encontro, nasceu a característica forte, expressiva e simbólica que os desenhos do caderno foram tomando.

As primeiras páginas desse caderno no entanto foram de pesquisa de materiais, usei lápis de cor laranja, aquarela, marcador branco e outros, porém no encontro do marfim, preto e vermelho, foi que achei maior força.

Então saia todos os dias com meu companheiro de viagem, desenhando ambiente, objetos, pessoas em metrô ônibus, fragmentos de obras de arte e desenhos de imaginação, poemas, reflexões sobre minha produção, nomes de artistas, e outras infinidades de coisas. Buscando sempre um desenho sem esboço, direto no nanquim e equilibrando a composição com massas vermelhas uniformes, um universo imagético construído de resquícios de lembranças e registro de esquecimentos, foram se formando, misturando motivos antigos em meu repertório e criando novos.

Consequência do erro, acaso e embate entre material, controle motor e ideia,  cada folha do caderno tem uma história e ao revisitá-lo quase sempre sou transportados para o ambiente em que foram produzidas. As vezes a sala de aula, outras em um restaurante de comida barata, outras na mesa de bar de aniversário de amigos,  bibliotecas, quartos, estradas, ou a beira do mar.

paginas_do caderno

Toda essa pesquisa que continua até hoje passou por várias fases e meus pontos de interesse foram variando, entre Dali, Goya, Van Gogh, Octávio Araujo, Daniel Senis, Eva Hesse, e tantas outras referências. O meu olhar pelo mundo buscava a relação do corpo com objetos, espaços, com o outro, o real e o sonho.

É interessante pensar na dinâmica de criação dessas imagens, e a relação com o resultado final. Por serem desenhos rápidos, de registos de imagens, pessoas, lugares que estavam passageiras no meu cotidiano, os desenhos tem uma natureza fragmentada, inacabada. Pois muitas vezes o motivo de estudo era perdido, ou interrompido pelo trajeto que tinha que percorrer, uma aula que chegava ao fim, e etc. E as vezes esse desenho só seria “completado” ou finalizado, dias, meses depois. Após ter passado por diversas novas experiências, a revisitação de cada página do caderno era e é constante, A revisitação de memórias, a relembrança, e sobreposição de camadas que ficaram gravadas na feitura de cada página, são o coração desses cadernos.

desenho caderno 2

O primeiro caderno foi finalizado por volta de março de 2010, o segundo foi iniciado em Julho de 2010 e foi nesse momento que as questões da fragmentação se tornaram um motivo consciente e uma busca do corpo recortado, rasgado, costurado, aberto, deformado, muculos, ossos, se tornaram frequentes, o que remetiam a uma violência, a morte e o terror para muitos que observavam o resultado final. Porém o interesse nesses motivos era o poder da linha expressiva, e o como ela potencializava essa violência. Em contra partida, deixei de usar o marcador vermelho em 80% dos estudos, buscando evitar o simbolismo do sangue, dando aos corpos um caráter menos carnal. Com palavras chaves, tiradas do trabalho de Leonilson (Numeros, mãos, cabeças, ramificações, tempo, passagem, corpo, a palavra) e ações (carregar nas costas, segurar junto ao peito, voar, cair, se perder) o segundo caderno se finaliza apenas em março de 2015.

O terceiro caderno iniciado em Maio de 2015 e que ainda estou usando vem me trazendo novas reflexões e busca por representações menos eurocêntricas. Uma visita aos símbolos e imagéticas negras vem sendo minha maior preocupação na criação das imagens no momento. Os fenótipos foram mudando, novas experimentações de materiais e estilos de desenho deixaram as paginas mais variadas.

A Exposição

obra_a rainha na montanha

Para a exposição, resolvi resgatar algumas páginas dos cadernos, desenvolvendo trabalhos maiores e que reconstroem acasos, acidentes, tornando escolhas conscientes processos que tiveram um outro tempo e natureza de nascimento. Além disso, procurei reunir dois grupos de imagens, com natureza distintas nos trabalhos da amostra. No primeiro temos imagens completas, com tons simbólicos e força dramática que conversa com a referência de cada expectador, porém com interpretações mais fechadas. O segundo grupo constrói simbolismos e desperta sensações e interpretações mais abertas, que produzem leituras mais românticas, violentas ou fantásticas de acordo com quem as vê.

Essa revisita as lembranças de 9, 7 anos passados, produziu resultados interessantes e pretendo continuar esses transporte e resignificação dos fragmentos das memórias registradas.

Além também de tornar publico essas pesquisas que ficavam confinadas em meus cadernos, possibilitando novas leituras, e enriquecendo minha poética para futuros trabalhos.

Quem quiser conferir pessoalmente esse trajeto está convidado a visitar a mostra tanto na abertura, como no decorrer do mês de maio.

 

Serviço:

Exposição Imagens Vestígio – Diogo Nogue

Local: r. capitão cavalcanti, 35A – vila mariana/sp

Visitação: Segunda a Sábado 

Site: http://www.lobocc.com.br/

Abertura: 27/04 as 19h

 

diogo-nogue-exposicao-10-faces

Exposição 10 Faces: do traço a cor

artista diogo nogue e trabalhos da série faces espelhos

Mostra reúne retratos de diferentes pesquisas com o tema da beleza negra.

Olá amigos, ano começa com muito trabalho e exposições. Dessa vez o convite veio do Projeto 29 Cultural promovido pelo Cartório 29ª da região de Moema. A Tabeliã Priscila Agapito abre seu espaço para mostras. Assim promover um ambiente mais rico para seus clientes e fomentar a cultura.

Com ajuda de montagem e curadoria da artista Gi Archanjo, um lugar que geralmente é sério e monótono, criva vida com a arte de novos artistas.

Diante de uma oportunidade tão especial, decidi reunir algumas pesquisas ainda em desenvolvimento e recuperar algumas ideias que ficaram no caminho.

Dessa seleção é que ficaram os 10 trabalhos que vou levar para a mostra que tem a abertura programada para 19 de fevereiro, ficando em cartaz até 31 de março.

exposição 10 faces afrofuturismo

Saindo de retratos com lápis grafite, passando pelos nanquins com uma ideia afrofuturista e chegando aos retratos de guache, onde a cor da pele negra é o maior o meu interesse maior.

10 faces são perguntas que venho me fazendo em busca de uma ancestralidade, representatividade e apropriação de uma visualidade que tenta fugir do padrão eurocêntrico, e tenta beber na observação do povo negro no mundo atual e em realidades fictícias.

Sinto que ainda tenho muito que aprender e pesquisar para chegar em uma resposta e novos caminhos para minha produção. É importante dizer para mim mesmo que as perguntas estão sendo feitas. Melhor ainda é poder compartilhar esse caminho com outras pessoas.

 

Serviço:

Exposição 10 Faces: do traço a cor

De 19/2 até 31/03

Onde: 29º Tabelionato de Notas da Capital

Endereço: Alameda Jauaperi, 515 – Moema – São Paulo

diogo-nogue-exposição-entre-o-real-e-o-sonho

Exposição “Entre o real e o sonho”

Com trabalhos novos, exposição aponta nova forma de pensar a imagem

Olá amigos, desde o dia 07 de outubro está rolando a exposição “Entre o Real e o sonho”. A mostra reúne algumas pinturas da série “De onde os medos crescem” e uma pesquisa de retratos que investiga a estética e representação preta. Esta  é uma tentativa de levar uma pesquisa de arte contemporânea para a periferia, lugar de onde vim e que merece sempre receber e valorizar a arte produzida aqui.

Diogo e suas pinturas “Brinquedos que não foram meus” e “No fim somos o que fizemos de nós”

 

A abertura foi muito divertida, apesar de a chuva ter atrapalhado um pouco. Porém foi legal falar da minha produção e pesquisa e tirar dúvidas com o publico.

 

 

Dividindo Conhecimento

Na semana seguinte ministrei uma oficina com alunos do CCJ da região. Apresentei a técnica da aguada, e conversamos sobre semiótica, símbolos e como podemos criar imagens com apropriação de signos do mundo.

 

 

A troca tem sido muito positiva em todos os pontos.

O encerramento da exposição vai ser dia 29, ainda da tempo de conferir os trabalhos e deixar suas impressões.

 

Obrigado à todos que participaram desse momento!

diogo-nogue-exposicao-pratodos-adinkras

Exposição Pratodos – 40 artistas tendo o prato como suporte!

O Prato como suporte, uma ação social por base

detalhe – prato raízes negras

 

Olá amigos, em Fevereiro a partir do dia 11, estarei participando da exposição coletiva Pratodos aqui em são paulo.

Para essa expo, foram convidados 40 artistas para intervir no prato como suporte. O mais legal é que os pratos estarão e parte da do dinheiro da venda será destinado a uma ong que prepara marmitas vegetarianas para moradores de rua.

Fiquei em duvida em qual das minhas pesquisas aplicar ao prato, porém no fim, acabei escolhendo a pesquisa visual da linguagem das Raízes Negras, (trabalho de ilustração que já postei aqui).

Nessa pesquisa, estou buscando desenvolver uma imagética de identidade negra, resgatando a simbologia, padrões e estética afro, e buscando uma atmosfera afrofuturista.

Neste trabalho iniciei uma pesquisa sobre os Adinkras, como símbolos principais.

Utilizei a acrílica e caneta dourada para trazer um efeito mais de realeza para a peça. O resultado ficou bem interessante. Diferente dos outros retratos da série feitos digitalmente, porém bem interessante na materialidade.

Para mais detalhes de como chegar a exposição veja o release abaixo:

Exposição Pratodos

O Prato, este é o suporte escolhido para a Exposição PRATODOS, onde 40 artistas apresentarão sua poética nesse objeto tão comum, mas cheio de significados e sugestões. Cada artista receberá um prato e nele terá liberdade total de expressão. A proposta é discutir a ética na alimentação nos dias de hoje.
As peças serão vendidas a um preço simbólico (R$60). Parte do valor será destinado aos artistas e o restante do dinheiro será revertido para uma ação que distribuirá marmitas veganas a moradores de rua. Os interessados terão duas opções: comprar pelo valor total (R$60) ou pagar metade do valor e se disponibilizar como voluntário no dia da ação.

O projeto foi idealizado e será realizado pelo espaço independente de arte GARAGEM ATELIÊ. A iniciativa é uma ideia antiga de um dos integrantes e foi inspirada em vários diálogos sobre o que comemos (de origem animal ou não), sobre a comida como objeto de estudo social e até mesmo a arte como algo que alimenta o espírito.

A festa de abertura e venda das artes acontecerá no dia 11 de fevereiro de 2017 no Garagem Ateliê, Ermelino Matarazzo, São Paulo.

LISTA DE ARTISTAS:

– Alcides
– Almir AS76
– Alan Alvico
– André Filur
– Bazco
– Bia Marins
– Dedoth
– Diane Motta
– Diogo Nogue
– Felipe BIT
– Felipe Urso
– Gabigo
– Fernanda Barbosa
– Gabi NIU
– Gi Archanjo
– Gil Douglas
– Gislaine Costa
– Ítalo
– Jana
– Ju Violeta
– Karine Guerra
– Lais da Lama
– Linoca Souza
– Marisasoou Lamah
– Moara Brasil
– Natália Manfrin
– Nautila
– Opeop
– Qel
– Rafael Limberger
– Raiza Limberger
– Régis
– Ricardo Cadol
– Samantha Prado
– Smup
– Tom Pina
– Vander xCHEx
– Vermelho
– William Mophos
GARAGEM ATELIÊ
Local de discussão, produção e exposição de arte na periferia da Zona Leste de São Paulo. O grupo que mantém o espaço (uma garagem de verdade), realiza atividades em conjunto com outros coletivos culturais e artistas da cidade.

diogo-nogue-exposicao-abertura-deonde-os-medos-ganham-forca

Abertura da exposição “De onde os medos ganham força”

entrada_exposição

Abertura “De onde os medos ganham força”

Olá, neste último dia 17/06, teve a abertura da minha exposição em Santos.

Foi uma noite muito agradável e divertida, com presença de convidados especias, música e risadas.

 

vista exposição diogo nogue telas mostra digo nogue vista exposição diogo nogue

A mostra conta com 13 trabalhos (11 pinturas e 2 desenhos) desenvolvidos entre 2007 a 2014. E trabalham imagens simbólicas do conto De onde os medos crescem na parte principal. Enquanto que a segunda parte da mostra, reuni alguns trabalhos que foram processo da pesquisa e na tentativa de desenvolver um método de criação relacionando as imagens coletadas do mundo com a literatura.

exposção_diogo_nogue

abertura_vista_musica

A exposição fica em exibição até dia 02/07 e todas as telas estão à venda. Acessando a loja do site, você confere todos os detalhes.

publico_exposição_diogo_nogue

diogo-nogue-blog--pdf-livro-de-onde-os-medos-crescem

Conto “De onde os medos crescem” – Download Free

Capa - de onde os medos crescem

Esta semana disponibilizei na parte de Downloads do meu site o conto “De onde os medos crescem”. O texto foi escrito como parte do processo de criação das minhas telas de pintura na série homônima.

Um artista que foi quem me mostrou que isso era possível e muito enriquecedor para um trabalho artístico foi o Tunga, que faleceu semana retrasada. Então como homenagem, dedico este conto e esse pdf á ele.

Para baixar clique na imagem acima ou aqui.

Segue abaixo uma reflexão sobre utilizar a literatura como processo para a pintura que escrevi na minha monografia de conclusão da graduação:

De onde as telas crescem: o conto como processo para a pintura.  

A literatura sempre fez parte da minha produção. E há alguns anos também desenvolvo minha pesquisa literária, com textos que tendem para uma atmosfera estranha, do fantasioso, onde os acontecimentos podem ser tidos como metáforas ou puro deslocamento da realidade. O que dá outro valor ao enredo do texto (pequenos detalhes ganham mais importância.)

Minha primeira experiência em unir texto e imagem, foi ainda no ensino médio. Onde fiz uma pequena exposição onde cada desenho tinha um texto ao lado.

Os textos poéticos vieram a partir dos desenhos e relacionava os elementos das imagens com a palavra. Estes textos não eram explicações nem descrições das telas, também não eram interpretações, mas por serem postos lado a lado, e por se alimentarem de elementos semelhantes ambos compartilhavam e ampliavam sentidos.

Durante o decorrer do curso de bacharelado, nunca cheguei a repetir essa interação, apesar de ter esse desejo. Alguns motivos adiaram essa minha investida, tais como: a possível relação ilustrativa entre imagem e texto, o direcionamento de interpretação da obra; e a indagação “se o texto já diz tudo que tem que dizer, qual seria então o sentido dessa imagem?”

Porém com meus questionamentos e experiências na procura de métodos para se construir uma imagem, cheguei, com a ajuda de orientadores, a estratégia de ler um livro, um romance inteiro, e fazer uma única pintura sobre este livro. Ser tomado por suas sensações  e estímulos tirando dele os elementos para se construir a pintura.

Este desafio trouxe novamente as antigas questões, mas trouxe também uma nova forma de pensar as imagens da pintura, suas relações e estruturas. Apesar de ficar satisfeito com o resultado dessa experiência, não era meu propósito inicial, usar um novo texto para esse projeto de conclusão.

Durante as minhas leituras de pesquisas para o pré trabalho de conclusão de curso, no entanto, entrei novamente em contato com um livro de artista que me deu a certeza de que era possível fazer essa relação entre uma obra ( de qualquer natureza: escultura, gravura, desenho, pintura, performance etc.) e um texto que sirva como fonte “mitológica”, processo de criação.

Este livro foi “O Barroco de Lírios” do artista Tunga (1952-)[1]. Neste livro o artista reúne algumas das suas obras mais importantes. A partir desses registros, vai mostrando o inicio de vida dos temas que utiliza e seus desdobramentos em diferentes trabalhos. Como inicio de cada trabalho Tunga coloca um texto, conto, relato, ou documento que fala da construção dessa obra, a idéia inicial, as referências e desdobramentos.

Porém esse relato, muitas vezes, como acontece, por exemplo, no texto “Xifópagas Capilares entre nós”[2] tem uma liberdade literária, que foge da realidade para criar um universo intrigante que envolve o leitor e mistura fatos reais com mitos e imaginação.  Esta aura vai impregnar suas esculturas e desenhos e darão uma unidade a elas.

Foi partindo desse pensamento que desenvolvi o conto[3] “De onde os medos crescem”[4] que une em sua construção as imagens vestígio, anotações de sonhos e relatos de história de família que são mais bem explicados no Anexo 2.

Até então todas as minhas pinturas anteriores vinham de um exercício de imaginar a construção da pintura relacionando símbolos a minha escolha, tentando preencher o campo de trabalho e dividindo as em camadas em busca de uma sensação intuída, mas pouco materializada.

Minha experiência na literatura me fez perceber a forma em que um conto ou texto é criado. Ao escrever a narrativa precisa-se passar credibilidade ao leitor, e também  conduzí-lo de forma que todas as palavras, frases e pontuação tenham uma importância determinante. É preciso cuidado, pode-se comparar a montagem de um quebra-cabeça, cada peça (frase) se encaixa em seu lugar, formando a imagem desejada.

Assim, ao inserir um contexto, as ações e símbolos que fazem as imagens precisam ser justificados textualmente, e vão compor um universo. O universo de um conto tem suas próprias regras (às vezes usando as regras do nosso mundo, ou criando novas) e elas precisam ser atendidas para dar sequência a história.

Acontece que seguindo essas regras de construção, o conto tem uma “vida própria”. Sendo assim, parto de uma idéia inicial para o texto, tenho minhas vontades, quero que determinados acontecimentos sejam a chave desse texto. Porém, para justificá-los vou inserir elementos, peças do quebra-cabeça, que não tinha em mãos a priori, mas que são fundamentais na formação do sentido do texto e da imagem que vai trabalhando os elementos pictóricos.

Esta força do enredo me faz construir imagens que eu não teria imaginado de imediato, pensar relações que necessitam de uma lógica diferente para se unir. Existe nesse sentido “um outro tipo de relação entre palavra e imagem” uma “experimentação verbalizada[5]. Assim “a narrativa verbal prepara uma futura ação plástica”[6].

Foi atrás desta lógica textual que foquei as minhas coletas de imagens e sonhos, defini temas, sentimentos e sensações para transpô-las para a série de pinturas apresentadas. Materializando e desenvolvendo aquelas sensações e imagens que antes eram apenas intuídas. Sendo assim, o conto “De onde os medos crescem” é  como um banco de imagens, que foi inicialmente pensado para a pintura, desenvolvido textualmente e novamente transposto para tela.

Este método de tradução de uma linguagem em uma segunda é conhecido como tradução Intersemiótica[7] e é objeto de estudo de Julio Plaza em seu livro homônimo. Plaza nos trás a seguinte definição:

 

“ A tradução Intersemiótica ou ‘transmutação’ foi definida por Roman Jakobson como sendo aquele tipo de tradução que ‘consiste na interpretação dos signos verbais por meio de sistemas de signos não verbais’ ou ‘de um sistema de signos para outros, por exemplo, da arte verbal para a música, a dança, o cinema e a pintura’ ou vice-versa”. (Plaza. 2001)

 

Como é dito por Plaza em seu livro, a tradução Intersemiótica nada tem a ver com fidelidade “pois ela cria sua própria verdade e uma relação fortemente tramada entre seus diversos momentos[8].

Quero dizer com isso que diferente do conto, as telas não tem uma dependência narrativa entre elas, e nem em relação ao texto. Não tento transformar, resumir ou capturar o conto em uma imagem, a tela não tem esse compromisso. Preocupo-me em me apropriar da relação interna do texto, de alguns estímulos e levá-los para o campo pictórico, fazendo que encontrem sua própria existência de acordo com meus procedimentos de pintura. Capturas diferentes momentos, ações e significados e traduzidos em uma imagem.

Em contexto expositivo as telas não dependem do conto, não pretendo apresentar o texto no espaço junto com a tela. E nem mesmo a montagem das telas no espaço precisa seguir a ordem em que elas surgem no conto, pois cada pintura fala de si mesma.

[1] Artista brasileiro ( Palmares, PE). Escultor, desenhista, artista performático.

[2] TUNGA. Barroco de Lírios. São Paulo: Cosac & Naify, 1997 p. 45

[3] Apesar de empregar o termo conto, este não é o mais apropriado para definir o texto referido por ter uma estrutura mais complexa. Porem decidi usar o termo pelo que ele representa (uma história curta).

[4] Anexo 2 p.42

[5] SALLES, C. A., 2003 : 95

[6] SALLES, C. A. 2003 p: 95

[7] PLAZA, 2001: 01

[8] Idem: 01

diogo-nogue-exposição-de-onde-os-medos

De onde os medos ganham força? – Exposição

Exposição Diogo Nogue

Olá amigos é com prazer que venho anunciar mais essa novidade, finalmente está chegando o dia da minha exposição individual.

A expo chama “De onde os medos ganham força” e vou levar pra ela minhas telas mais recentes, que são continuação das pesquisa em arte contemporânea, sobretudo, pintura contemporânea.

Estou ansioso e trabalhando nos últimos detalhes da montagem, mas faz tempo que esta mostra estava engatilhada e é uma tremenda conquista para mim.

A convocação da Secretaria de Cultura de Santos veio ainda em 2015, após selecionarem meu projeto em banca do Salão de Arte daquele ano. Porém o cronograma dos outros selecionados se estendeu e minha montagem ficou apenas para 2016.

Finalmente chegou.

A pesquisa “De onde os medos crescem” teve inicio no meu projeto de TCC da faculdade. Para ele, escrevi o conto homônimo, inspirado em história de família, da arte, do brasil e misturando conceitos da filosofia, psicologia e do fazer pictórico para gerar relações simbólicas e relações que só a lógica narrativa consegue construir.

Deste conto produzi 4 telas para minha conclusão de curso, elas me renderam nota máxima e também uma indicação para mostra coletiva.

Em 2010 então, junto com mais 10 colegas, participei da exposição “Onze Lições” com as telas desta série.

Posteriormente continuei desenvolvendo a pesquisa e criei outras telas.

A mostra de Santo será a união desse trabalho novo e também as 4 telas iniciais. Portanto é um marco em minha carreira artística, sem dúvida. O nome também é bem significativo, já que os medos começam a crescer quando os anos pós-faculdade vão passando e fica mais difícil manter a produção. Porém a luta não pode parar, por isso sigo sempre acreditando em meu trabalho, sempre desenvolvendo meus conhecimentos teóricos e técnicos para deixar um legado que me orgulhe.

Para mais detalhes da mostra vou deixar o serviço e o link para evento.

 

Página do Evento: www.facebook.com/events/643055199176504/

Serviço:
Exposição “De onde os medos ganham força” – Diogo Nogue
Quando: de 18 de junho a 02 de julho – Abertura 17.6 às 19h
Onde: Centro de Cultura Patrícia Galvão
Endereço: Av. Senador Pinheiro Machado, 48  – 3º Andar – Vila Matias, Santos/SP
Página do artista: www.facebook.com/diogonogueart
Site oficial: www.diogonogue.com.br
Página da Galeria: www.facebook.com/galeriasdesantos
Informações: (13) 32268010

 

 

Conheça o novo site Diogo Nogue

cover_fb

Olá!

Sejam bem-vindos ao meu novo site!

É com muita alegria e entusiasmo que apresento pra vocês esse espaço, pois há anos adiei criar minha própria homepage e finalmente os planos saíram do papel para a rede.

Neste post vou explicar a estrutura do site, lembrando que muita coisa ainda está por vir este ano.

Estrutura novo site

O intuito principal do site foi reunir em um só lugar a minha produção em arte, literatura e design. Durante os anos fui sempre utilizando recurso free da internet para divulgar meu trabalho, com o amadurecimento fez-se necessário um lugar para centralizar todo esse conteúdo.

Além de site oficial e portfólio on-line, o diogonogue.com.br também é uma loja virtual. Em breve farei um post para falar somente dessa parte do site, que vou lançar em um segundo momento.

Veja agora a estrutura do site:

  1. Biografia – Quem sou: Resume um pouco a minha história e desejos como artista.
  2. Contato – Aqui você vai encontrar todas as formas de se comunicar comigo, espero sua mensagem.
  3. Portfólio – Nesta página você vai encontrar alguns dos meus trabalhos mais relevantes nas áreas de Arte, Ilustração e Design Gráfico.
  4. Blog Desenhos e Devaneios – Para saber o que estou fazendo, estudos e trabalhos recentes fiquem sempre atentos ao Blog. Além de contar com posts novos, transferi o meu antigo blog principal para cá. Então, basta fuçar os arquivos para conhecer e relembrar postagem de 2007 até hoje.
  5. Loja – Na aba superior do site, além do link para o blog ficam também o link da Loja, “minha conta” e “Carrinho” . Aqui você vai encontrar produtos oficiais como: camisetas, bolsas, canecas, almofadas e outras novidades, além de trabalhos originais. No momento o único produto liberado para pré-venda é o Livro “Trovinhas das cores e amores” que será lançado dia 21/03/2016
  6. Redes sociais – No canto superior direito e no rodapé esquerdo você encontra links para minhas redes sociais: fb.com/diogonogueart. Instagram: noguediogo e Linkedin. Além de poder assinar o RSS.
  7. Blogs e projetos externos – Abaixo do mural dinâmico ficam os links de blogs externos: o Registro dos projetos “13 Preto e Vermelho” e “O que deve ser dito”, como também meus blogs literários: Caixa dos Contos e Zona Mental. Pretendo continuar atualizando esses dois blogs externamente. Por isso, acompanhem-os também.
  8. Downloads – Nesta aba você vai encontrar meus currículos, textos sobre minha produção, PDFs com contos, catálogos e outros itens para baixar gratuitamente.

 

Espero que tenham gostado do visual e da estrutura e que possam apreciar minha produção de maneira fácil e interativa.

Para suporte em abertura de domínio, estrutura e mentoria da Loja eu conto com os serviços do meu amigo Adhemar (vulgo Max) – Visitem a página dele para mais informações!

Abraço e até o próximo post!

 

O Crespo livre, a beleza negra e inspirações estéticas de Mucha ao Afrofuturismo

Estou iniciando um novo projeto de ilustração com o nome temporário de “Negras, Raizes” cujo o foco são retratos de mulheres negras. read more

Nasce a Mãe, nasce o filho ou 13 de Março (13 Preto e Vermelho)

Este é mais um vídeo do projeto 13 Preto e Vermelho, mais sobre ele vcs encontram no blog clicando no link aqui ou ali do lado. 🙂

Caderno chegando ao fim

Meu caderno “Imagens Vestigio II” está finalmente chegando ao fim. Este foi iniciado em 07/2010, logo após do primeiro ter acabado.
A pesquisa inicial deste caderno era o corpo fragmentado, e as relações: Corpo + corpo, Corpo + Espaço, Corpo + Objeto, Objeto + Objeto.
No caminho foram surgindo algumas coisas interessantes, outras nem tanto.
Foi um caderno que durou quatro anos! Nem acredito, já que o primeiro durou apenas 2.

Gostei dos resultados que foram surgindo, mas acabei não chegando muito nos preceitos iniciais do caderno.
O interessante é passear por suas páginas e relembrar tantos momentos, exposições e reflexões que registrei no caderno durante esses 4 anos.

Este mês pretendo costurar um novo companheiro para mais anos de reflexões sobre a minha produção e arte em geral.

até lá então!

Primeira Pintura a óleo

Sempre tive vontade de pintar a óleo, porém além de me encontrar com minha pesquisa em pintura com aguadas e acrílica, também sempre achei muito complicado a tinta óleo e sempre adiei meu inicio na técnica. Primeiro era por falta de material, mas então ganhei um kit com cavalete, tinta, pinceis e mesmo assim adiava. Este começo de ano resolvi parar de enrolação e comecei esta pintura.
Partindo de um pequeno esboço rápido, tinha pensado muito sobre o que pintar, porém parei os devaneios e comecei a pintar o que eu sempre quis pintar. Iniciando com um céu azul e um rio.
Deste principio fui encarando os desafios de aprender uma técnica nova. Nesse caminho encontrei inúmeros desafios dentre estes, os pincéis.
Ficou muito claro para mim  que é necessário bons pincéis para se fazer pintura rica em detalhes e efeitos. Não foi o caso, trabalhando com pincéis bem baratos e outros bem velhos, sem grande precisão foi este o resultado que consegui.
Não esta nem perto do que eu considero um bom desenho, uma boa composição ou uma boa anatomia, mas achei bonitinho, mesmo que em alguns momentos eu ache horrível! rs.
Mas terão outras, e pretendo melhorar.
A seguir uma imagem do processo:

Primeira de 2014 – Somos o que fizemos de nós.

Primeira postagem, primeira pintura do ano, iniciada no fim de dezembro e terminada agora no inicio de janeiro.
Continuando minha pesquisa, tentando sugar o máximo da técnica, dos símbolos e imagens que vão se acumulando em meu repertório.

Meu Anjo, Dali e Millet estiveram aqui

Seguindo minha pesquisa de desenho “Imagem Vestígio” este trabalho agrega referencias de Bosch, Millet e Dali e relações com a pesquisa do corpo e as linhas da pesquisa de um dos meus cadernos (Meu corpo que te abriga)  que não falei muito no blog ainda, vou tentar postar algo mais para frente também.
 Nessa série nova que estou desenvolvendo fiz uns experimentos misturando papel arroz e vegetal para criar sobreposições e valores com transparências.

 

Meu Anjo tem Sonhos tranquilos

 

Nos últimos meses retomei a minha pesquisa pictórica, e consegui desenvolver três novas telas.
Em duas delas, continuei usando o conto que criei para meu tcc “De onde os medos crescem” do qual já tinha feito quatro pinturas.
Retomei duas partes do conto que gosto muito, que é o “Ela tinha sonhos” e o “No jardim da infância, brinquedos que não foram meus”,
Já nesta pintura, eu voltei aos meus primeiros procedimentos que eram partir de uma imagem base, tirada de alguma memória, obra de arte, ou imagem de qualquer lugar.
A imagem escolhida foi a pintura de Millet “Angelus”, mas cheguei nela primeiramente por Dali.
Mesmo já conhecendo a pintura de Millet e tendo uma grande atração pelas duas silhuetas formadas pelo homem e a mulher, o que realmente me motivou e deu mais força para esta imagem foram as diversas apropriações e referências feitas por Dali  a este casal. Ele tem várias versões derivadas de “Angelus” e suas variações são tão fortes quanto a original, de fato uma tremenda força que esta duas figuras conseguem despertar.
Sendo assim, desenvolvi minha versão desta, tentando limpar alguns procedimentos pictóricos que geralmente utilizo.  e este foi o resultado.
também fiz alguns desenhos derivados de Angelus, que postarei mais para frente.

Meu Corpo que te abriga.

Está é uma estampa que estou imprimindo. Tentando fazer uma série… vai ser dificil

Caderno de desenho 2


Mais um para aproveitar o momento!

Novos Desenhos




Alguns Desenhos novos, de desenhos diários, resolvi fazer alguns maiores. Ai esta o resultado, acredito que vou fazer outros (assim que eu comprar canetas novas, pq as minhas acabaram nesses desenhos ai hehehe)

abraço;

Onze Lições – Exposição.



A esquerda “Ela tinha sonhos, mas quem vive deles?” e a direita “Inicio do Pesadelo premonitório”

 

Eu até esqueci de postar (a correria estava grande), mas estou participando de uma exposição chamada “Onze Lições” junto com alguns amigos.

A Exposição esta acontecendo na Galeria Vicente Di Grado – Universidade Belas Artes de São Paulo, onde me formei ano passado. A Vernissage foi dia 04 de agosto, e nesse dia 20 foi lançado o catálogo da exposição. Para quem ainda não foi lá ver a mostra fica em cartaz até dia 10 de Setembro.

Momento da Abertura, a galeria lotou

 

Os trabalhos apresentados são resultados das pesquisas poéticas de Onze Ex-alunos do Centro Universitário Belas Artes -SP e contam com videos, pinturas, gravuras, performances, objetos escultóricos e instalações.

A esquerda “(No Fim) Nossas Memórias São Inimigas” e a direita “No jardim da Infância: Brinquedos que não Foram Meus”

 

 

Exposição Onze Lições
Local: Galeria Vicente Di Grado, Unidade 2 Belas Artes-SP
Rua Dr. Álvaro Alvim, Vila Mariana
Data: de 4 de Agosto a 10 de Setembro.
Horário: segunda a sexta das 9h as 21h, sábado das 9h as 16h

Dois Corpos – Último.

Esta é a ultima pagina do meu caderno de desenhos, acho que levei um ano e 3 meses mais ou menos com esse caderno, ele me ajudou muito no meu tcc, aliás eu não teria um tcc sem ele.
Agora que terminei varias pessoas me perguntaram : “e ai, o que vai fazer com ele?”
hahaha ainda não sei, deixar guardado. e olhar pra ele daqui a uns 5, 6 meses com outro olhar, e ai, quem sabe, eu vou entender o que eu queria com esses desenhos. (ou não…)

Tranças e emaranhados.

Não Devo V(s)er.

Mais algumas desenhos do meu caderno, faltam algumas páginas para ele chegar ao fim… mas já tenho outros cadernos prontos para os rabisco 🙂

Sobre a chuva e o GuardaChuva.

Sobre a Chuva.

 

 

Sobre a Chuva.

 

O sol se foi de repente

Foi-se também a luz do meu rosto

Sobrou a lágrima que corria muda

Solitária, trazendo-me seu gosto.

 

 

Os trovões rompiam o silêncio

Os raios iluminavam seus olhos.

Olhei o céu buscando estrelas

Mas a noite me trazia nuvens

Escuras como a cor dos seus cabelos.

 

 

Saí de braços abertos, passos incertos

O cheiro da chuva invadia o ar

O vento soprava fazendo as árvores dançar

Um leve gotejar, para lavar as mágoas de muitos.

Meu peito ardia cravejado pelas lágrimas do mundo.

 

 

Via o céu desabar aos poucos

A chuva molhar seu corpo bem devagar

Dançando na rua sem se importar com os outros

O vento soprar macio a te levar

Qualquer tristeza escorria pela rua

E toda beleza era sua.

 

 

Esperava contente o presente

Que lavava corpo e mente.

Fui deixando pelo chão:

Roupas, mágoas e solidão

me preenchia de pequenas alegrias:

As pérolas de cristal me faziam companhia.

 

 

Sabia que ali era seu lugar

A simples alegria encharcou meu olhar

Joguei-me em seus braços

Dois corpos e a tempestade

Sentimentos confusos

Uma só verdade.

 

 

Sabia que ali era meu lugar

Ali eu estava livre

Ali eu estava completa

Ali todos meus medos se perdiam

Todo meu coração se encontrava.

 

1º do Ano

Para começar o ano de postagens aqui no blog vou colocar mais umas paginas do meu atual caderno de desenhos que esta no finzinho, em breve posto as ultimas paginas.

abraços

 

De onde Os medos Crescem

Bom, este ano deixei o blog meio de lado com atualizações esporádicas. O motivo era meu TCC ( trabalho de conclusão de curso) em Artes Visuais. Meu projeto foi em pintura. nem tive muito tempo para ilustrar esse ano. focado ao máximo ao meu projéto.

A série de telas “De Onde os Medos Crescem” nasceu em 5 meses mais ou menos. junto com ela tinha que desenvolver meu artigo de 20 paginas e o conto que também deu 20 paginas.
O conto era a fonte das imagens que foram para as telas. Muito trabalho em escrever as passagens do conto e depois passar para as telas de 100 x 150 cm mais ou menos.

O trabalho valeu a pena. estou formado, e foi uma ótima banca avaliativa.
–>

(ainda não sei a nota, mas esta acima de 8) fiquei sabendo que tirei 10. o resultado dessa pesquisa que começou quando eu tinha uns 14 anos e agora que estou com 21 consegui resolver vcs podem ver a seguir.

 


Momento da banca (Logo atrás de mim, as telas)


Inicio do Pesadelo premonitório


No quintal da Infância: brinquedos que não foram meus


Ela tinha Sonhos, mas quem vive deles?


(No fim) Nossas memórias são inimigas

O conto que deu origem as telas não vou postar por enquanto, pretendo fazer um blog só para ele, além de um pdf ilustrado. qualquer dia o link aparece por aqui.

abraços a todos que passarem

Fragmentos Sobre a Chuva

Um desenho de 2008 se não me engano, um estudo que comecei usando anilina, papel reciclado e caneta spray metálica. pretendo continuar, mas com um papel arroz quando tiver um tempinho.

em seguida, Fragmentos Sobre a Chuva…. mais um devaneio.

“…Os trovões rompiam o silêncio
Os raios iluminavam seus olhos.
Olhei o céu buscando estrelas
Mas a noite me trazia nuvens…”

“…Esperava contente o presente
Que lavava meu corpo e minha mente.
Fui deixando pelo chão:
roupas, magoas e solidão
me preenchia de pequenas alegrias:
as perolas de cristal me faziam companhia…”

Coleta de Imagens – Octávio esteve aqui…

Mais uma Pagina do meu caderno de desenhos, este tem inspiração nas pinturas e desenhos do artista brasileiro Octávio Araujo, uma grande influencia no meu trabalho.

Coleta de Imagens #4

Mais 3 paginas do meu atual caderno de desenhos. Estou gostando bastante dessas experiências, nada novo na verdade, as mesmas linhas pretas sobre vermelho, mas o que há de novo mesmo são as imagens, as figuras e suas relações, essas novas estruturas no meu trabalho que estão me chamando a atenção.

Faça força – A vida é quase toda poleiro.

Estas duas telas, são estudos para meu tcc.

 

 

Coleta de imagens #3


A cada pagina as coisas se reinventam. o caderno , seu formato, propõe uma linearidade, uma narrativa, neste caso os personagens são as linhas, as manchas, as massas, que se perdem e se encontram. se vêem enganadas, conquistadas, reveladas.

Esta é mais uma pagina.

 

show